Com concessões de até 70 anos, cassinos no Brasil bancariam 'construção de habitações populares'

Com concessões de até 70 anos, cassinos no Brasil bancariam construção de habitações populares

Como noticiamos, o senador Irajá (PSD) apresentou, em meio à pandemia da Covid-19, um projeto de lei para autorizar cassinos no Brasil.

A proposta vinha sendo costurada nos bastidores há meses, com o aval do governo Bolsonaro, representado no debate pelo senador Flávio e pelo ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio.

Pela proposta (leia aqui a íntegra), a União autorizaria um cassino por unidade da Federação, por meio de licitação.

O projeto prevê que “os recursos arrecadados com o pagamento da outorga de concessão serão destinados exclusivamente à construção de habitações populares no respectivo estado onde ocorrer a concessão”.

Ou seja, os cassinos bancariam programas de habitação do governo.

O prazo de cada concessão para a exploração da jogatina exclusivamente em resorts, do jeitinho que o pesado lobby dos jogos de azar incentiva nos corredores e gabinetes do Congresso, seria de 35 anos, renováveis por igual período.

Desde o ano passado, Jair Bolsonaro vem sendo pressionado por líderes do Centrão e pelo próprio filho Flávio a mudar de opinião sobre a legalização dos jogos de azar. Durante a campanha, o então candidato dizia que os cassinos serviam para “lavar dinheiro” e “destruir as famílias” — leia aqui. A bancada evangélica é veementemente contra os jogos.

No início deste ano, um dos parlamentares envolvidos no debate disse a O Antagonista que “os olhos do presidente brilham” quando pedem para ele imaginar a Costa Verde — litoral sul do Rio de Janeiro, onde a família Bolsonaro tem casa — repleta de cassinos à beira-mar.

Assista aqui ao nosso vídeo sobre o tema. E leia aqui uma reportagem da Crusoé.

Leia mais: Exclusivo: o 'inquérito do fim do mundo' foi usado para apurar secretamente se a Lava Jato tinha ministros do STF na mira
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 52 comentários
TOPO