“Com o tempo, se supera”

O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, festejou a escolha de seu número dois, general Fernando Azevedo e Silva, para o Ministério da Defesa de Jair Bolsonaro.

Ele disse para Eliane Cantanhêde:

“Ele tem muita experiência profissional, mas também de política, porque conhece bem a Presidência e o Congresso”.

Sobre o desconforto causado pelo fato de que “não sobrou nada” para Marinha e Aeronáutica no futuro governo, ele respondeu:

“É verdade. Com o tempo, se supera isso”.

De acordo com o próprio general Villas Bôas, o almirante Eduardo Leal Ferreira havia recusado a pasta:

“O Leal é muito querido nas Forças Armadas, tem muitos amigos, é um homem de grandes qualidades, mas ele alegou problemas pessoais, de família, para não aceitar”.

 

 

Será que os militares conseguirão moderar o que acontece dentro Planalto? LEIA AQUI

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Ler mais 19 comentários
  1. MOVIMENTAÇÃO ESTRANHA… não sei opinar com certeza sobre essa indicação e nomeação, principalmente por sua ligação com a esquerda. Tenho receio de Bolsonaro em certa inocencia ter dado passo

    1. Comunistas? Esse general tava comendo o cu do Toffoli sem beijar, isso é um recado de que a intervenção deu foi certo, sua estúpida burra.

  2. O General Fernando tem experiência também com bandalheiras feitas no CMLcom dinheiro das Olímpiadas, bandalheiras que estão registradas na Ação Popular na Justiça Federal 0017989-20.2018.4.02.5

  3. Realmente, o comando das forças terrestres, fronteiras, fica mais correto nas mãos do Exército, enquanto que o comando naval deverá ser exercido pelo almirantado em comum acordo com o M. da defesa

    1. Eu não vejo futuro no Governo Bolsonaro se ele não tomar as rédeas do poder de volta e fazer aquilo que prometeu a nós.