Com permissão de Bolsonaro, governo intensifica articulação para CPMF e Renda Brasil

Com permissão de Bolsonaro, governo intensifica articulação para CPMF e Renda Brasil
Foto: Reprodução/TV Brasil

Em reunião ontem com líderes governistas e ministros no Planalto, Jair Bolsonaro permitiu que o governo intensifique a articulação política para a criação de uma nova CPMF que compense a desoneração da folha e do Renda Brasil.

Com o aval do presidente, Ricardo Barros tornou-se o homem forte da articulação do governo e conta com o apoio de Arthur Lira (PP), líder do Centrão. Logo após a reunião no Planalto, o deputado levou Paulo Guedes para almoçar em seu apartamento e discutir com líderes partidários as duas propostas.

O Antagonista apurou que, no encontro, o ministro da Economia manteve o discurso: é preciso, segundo Guedes, aprovar a nova CPMF para viabilizar a desoneração da folha. O imposto de R$ 120 bilhões, porém, sofre resistência no Congresso.

Guedes tentou convencer, em reunião na noite de ontem, o relator Aguinaldo Ribeiro (PP) de que o caminho construído pelo governo é o melhor, por ampliar a base de tributação e estimular a geração de empregos.

Próximo a Rodrigo Maia, Ribeiro resiste à tese. E o presidente da comissão mista de reforma tributária, Roberto Rocha (PSDB), acredita que a CPMF “contamina” a proposta em discussão no Congresso.

O relatório da reforma tributária será concluído na próxima semana, e a estratégia do Planalto é só apresentar a sua PEC com a CPMF após conseguir o apoio de lideranças à proposta.

A articulação mistura-se com a criação do Renda Brasil. O programa social deverá ser apresentado na próxima semana, em uma entrevista coletiva, para que o Planalto consiga o “domínio da narrativa” sobre o novo Bolsa Família.

“O presidente Bolsonaro autorizou que nós pudéssemos instrumentalizar a reforma tributária. O líder Aguinaldo Ribeiro, o presidente Rodrigo Maia, para que eles possam discutir o texto completo com o governo, sabendo que há prazo para a entrega do relatório. E também o senador Márcio Bittar recebeu do governo Bolsonaro as orientações de quais alternativas eles poderá escolher para seu relatório [do Renda Brasil]”, disse Barros esta manhã, ao lado de Guedes, após reunião com Bolsonaro.

Leia mais: Exclusivo: a casa secreta de Brasília
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 58 comentários
TOPO