Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Como o PT quer provocar o impeachment de Bolsonaro

Como o PT quer provocar o impeachment de Bolsonaro
Brasília - A senadora Gleisi Hoffmann durante reunião da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado (CDH) para debater as propostas de limitação dos gastos públicos (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

No começo do mês, o Estadão perguntou a Eduardo Bolsonaro se ele achava possível o PT apresentar um pedido de impeachment de Jair Bolsonaro em janeiro.

Ele respondeu:

“Eu não duvido. Quantos impeachments o PT propôs contra FHC? Pelo menos uma dúzia. Com ou sem fundamento, vai ser a conduta deles. Então, com esse tipo de oposição, no qual se enquadram, principalmente o PT, o PCdoB e o PSOL, não existe espaço para dialogar. Como eu vou dialogar com o MST invadindo terras? Não tem como. Agora, com assentado de reforma agrária que quer produzir tem como conversar. E com todos os demais – PSDB, MDB, PP – não tem problema, não.”

Previsivelmente, o documento final do congresso que reelegeu Gleisi Hoffmann presidente do PT, diz o seguinte:

“A partir da evolução das condições sociais e percepção pública sobre o caráter do governo e da correlação de forças, a direção nacional do partido, atualizando a tática para enfrentar o projeto do governo Bolsonaro, poderá exigir a sua saída.”

A “evolução das condições sociais e percepção pública sobre o caráter do governo e da correlação de forças” significa:

— anular as condenações de Lula;

— promover a baderna, com a ajuda da sua massa de manobra estudantil e sindical, por meio de manifestações de rua (de preferência violentas) e greves ilegais, como a prometida pelos petroleiros, a fim de impedir que Paulo Guedes consiga implementar o seu plano econômico na integralidade;

— forçar Bolsonaro a radicalizar ainda mais o seu discurso, alimentando a percepção de que ele é antidemocrático;

— aliciar parlamentares para o lado do PT, prometendo mundos e fundos no caso de o partido voltar ao poder. Os fundos dos pagadores de impostos, claro.

A receita é antiga.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO