Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Congresso tende a derrubar veto de Bolsonaro à distribuição de absorventes

A decisão do presidente da República sobre o tema, anunciada ontem, foi bastante criticada por parlamentares de vários partidos
Congresso tende a derrubar veto de Bolsonaro à distribuição de absorventes
Foto: Alan Santos/PR

O Congresso tende a derrubar o veto de Jair Bolsonaro (foto) à distribuição gratuita de absorventes para estudantes de baixa renda de escolas públicas, além de mulheres em situação de rua ou de vulnerabilidade extrema. 

Após a decisão do presidente, anunciada ontem, deputadas da bancada feminina protestaram no plenário da Câmara. Marília Arraes (PT-PE), autora do projeto de lei, afirmou:

“Tenho certeza de que a Casa vai fazer jus à vontade do povo brasileiro, como é nossa obrigação, e derrubar esse veto.”

Senadores também prometem agir para reverter a decisão de Bolsonaro. No Twitter, Alessandro Vieira (Cidadania-SE) questionou a justificativa apresentada pelo governo para que a medida fosse vetada.

“Bolsonaro vetou projeto que garantia distribuição gratuita de absorventes para mulheres em situação de vulnerabilidade, como estudantes pobres. A justificativa, falta de indicação de fonte de financiamento, é simplesmente falsa. Verdadeiro é o desrespeito às que mais precisam.”

Também nas redes sociais, a senadora Simone Tebet (MDB-MS), líder da bancada feminina, criticou a decisão de Bolsonaro.

“Desconexão com a realidade, falta de empatia e desconhecimento da condição feminina, em pleno mês de valorização da saúde da mulher: o Outubro Rosa. O argumento de que não há previsão orçamentária é irreal. Os recursos viriam do SUS e do Fundo Penitenciário. Também não se pode falar em falta de interesse público, em um país onde 52% da população são mulheres. Veto do presidente é mais um sinal do menosprezo dele à condição humana.”

Com o veto, o Programa de Proteção e Promoção da Saúde Menstrual passou a prever apenas campanha informativa sobre o tema.

A sessão do Congresso que analisará o veto ainda não tem data marcada.

Mais notícias
TOPO