Contra o privilégio

Os procuradores da Lava Jato defendem o fim do foro privilegiado.

Neste sábado, Carlos Fernando dos Santos Lima e Diogo Castor de Mattos publicam um artigo na Folha de S. Paulo.

Eles dizem:

“O foro privilegiado deve acabar por três motivos básicos: é injusto, é ineficiente e gera a descrença da população na Justiça”.

E em seguida:

“A Lava Jato não tem a pretensão de acabar com a corrupção. Crimes são reflexos da sociedade e de seu momento histórico, e o direito penal pode apenas combater as condutas criminosas para que aqueles tentados a cometer crimes pensem duas vezes antes de agirem.

O que desejamos é quebrar o paradigma de uma Justiça criminal meramente simbólica, que só existe para os desfavorecidos. Para atingir tal objetivo é necessário expor para a população as injustiças desse sistema.

Uma delas, em conclusão, é o foro privilegiado. Não adianta mais caiar um sepulcro em que são enterrados os crimes dos poderosos”.