Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Coronel negociou vacinas para mercado privado um mês antes de lei sobre o tema

Tratativas começaram em 9 de fevereiro, mas lei que autorizava compra de vacinas por empresas só foi sancionada em 10 de março
Coronel negociou vacinas para mercado privado um mês antes de lei sobre o tema
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O ex-assessor do Ministério da Saúde coronel Marcelo Blanco disse há pouco à CPI da Covid que estava articulando a venda de vacinas para o mercado privado com o cabo da Polícia Militar Luiz Paulo Dominguetti desde 9 de fevereiro.

Entretanto, a lei que autorizava esse tipo de transação somente foi sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em 10 de março.

“”A primeira menção a se ter uma lei é do dia 18 de fevereiro. A primeira reunião ocorre no dia 21 de fevereiro, eu participei, sob a resistência do governo [ao projeto de lei]”, disse o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues.

Blanco, por sua vez, disse que tinha informações sobre esse novo mercado e que, na época, buscava prospectar um “modelo de negócio”. 

O coronel também exibiu áudios para tentar confirmar as tratativas com Dominguetti, para vender vacinas ao mercado privado. As negociações, segundo ele, ocorreram entre 9 e 22 de fevereiro.

“No sentido que a gente já percebeu um primeiro movimento do parlamento, a gente já buscava construir um modelo de negócio”, disse o coronel.

“Esse era um mercado que não existia e que era interesse direto da Precisa Medicamentos”, rebateu Renan Calheiros, relator da CPI.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO