ACESSE

Corregedora do MPF vai apurar visita de Lindôra à força-tarefa de Curitiba

Telegram

A corregedora-geral do Ministério Público Federal, Elizeta Maria de Paiva Ramos, abriu apuração sobre a visita da chefe da Lava Jato na PGR, Lindôra Araujo, à força-tarefa de Curitiba na semana passada.

Na ocasião, ela requisitou informações sigilosas sobre investigações em andamento, o que foi comunicado à Corregedoria do MPF – os procuradores entendem que a obtenção dos documentos precisa de formalização, para manter o sigilo e resguardar a investigação.

Lindôra diz que buscou obter informações globais, para “solucionar eventuais passivos”. O procedimento na Corregedoria tramitará sob segredo.

A apuração também vai analisar uma inspeção realizada sobre o sistema de gravações telefônicas feita pela equipe de Lindôra nos terminais fixos usados por membros e servidores da força-tarefa.

No ofício que comunicou a visita, a força-tarefa relatou que a inspeção foi determinada por Augusto Aras.

Segundo o MPF, o objetivo da Corregedoria é “apurar a regularidade de sua utilização, bem como os cuidados e cautela necessários para o manuseio desse tipo de equipamento pelos respectivos responsáveis”.

A visita levou três procuradores que auxiliavam Lindôra na PGR a deixar o grupo de trabalho da Lava Jato.

Leia mais: A estratégia de Bolsonaro para chegar ao fim do mandato

Comentários

  • Maria -

    Aras e sua emissária espiã estão em uma saia justa. Que se apure c/ rigor essa tentativa tacanha de xeretar processos sigilosos. Aras entrou p/ o bando e agora quer ajudar Bolsonaro e seus amiguinhos.

  • Paulo -

    Quem diria que o Bozo enterraria a lava jato.

  • ADONIS -

    Aras agora sabe que os procuradores que se demitiram são profissionais decentes que não se submetem a pressões políticas. Pode chamá-los de volta pois são profissionais. Estava só conferindo, não é?

Ler 30 comentários