Covid-19: estudo brasileiro mostra que azitromicina não tem eficácia

Um estudo brasileiro mostra que a azitromicina, antibiótico que é o segundo remédio mais usado no mundo no tratamento de casos graves da Covid-19, é ineficaz para combater a doença nesse estágio.

A pesquisa foi feita pela coalizão que inclui hospitais como Albert Einstein, HCor e Sírio-Libanês, o Brazilian Clinical Research Institute e Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva. Seus resultados foram publicados pela revista científica The Lancet nesta sexta-feira, 4.

Segundo O Globo, os 397 pacientes com Covid-19 que participaram do estudo foram divididos, por sorteio, em dois grupos.

No primeiro, 214 pessoas receberam, além da azitromicina, o tratamento padrão, que incluía medidas de suporte hospitalar (como oxigênio) e uso de outros medicamentos, como antivirais.

No segundo, 183 pessoas passaram pelo mesmo tratamento padrão, sem azitromicina. O resultado foi o mesmo entre os dois grupos.

“O remédio só deve ser usado se, juntamente com a Covid-19, o paciente for diagnosticado com uma pneumonia bacteriana, o que eventualmente pode acontecer”, afirmou ao jornal carioca o cardiologista Renato Lopes.

Leia mais: Sócios no desastre: a responsabilidade dos governadores na pandemia. Clique aqui para ler mais
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 58 comentários
TOPO