Covid-19: Saúde defende cloroquina com artigo científico de 5 meses atrás como se fosse atual

Covid-19: Saúde defende cloroquina com artigo científico de 5 meses atrás como se fosse atual
Foto: stevepb/Pixabay

Para defender a cloroquina e o ‘tratamento precoce’, o Ministério da Saúde publicou em seu site uma notícia sobre um artigo científico sem informar que ele é de cinco meses atrás.

“O renomado The American Journal of Medicine, jornal oficial da Alliance for Academic Internal Medicine, traz em sua primeira edição de 2021 um estudo que [supostamente] comprova a eficácia do tratamento precoce na evolução da Covid-19”, diz a notícia no site do ministério, publicada em 2 de janeiro.

Embora o texto não deixe claro, o ministério se refere ao artigo Pathophysiological Basis and Rationale for Early Outpatient Treatment of SARS-CoV-2 (COVID-19) Infection. Embora ele tenha sido de fato publicado na primeira edição deste ano, o próprio site da revista informa que o artigo está disponível online desde 6 de agosto de 2020.

Reprodução/The American Journal of Medicine
Procurada, a assessoria de imprensa da pasta confirmou a O Antagonista que é a esse artigo que a notícia se refere.

O texto do artigo científico tem indicações de que é datado. O resumo diz que o novo coronavírus se espalha pelo mundo há “aproximadamente 9 meses”. Mais à frente, o artigo cita “mais de 1 milhão de casos e 500 000 mortes no mundo”, informação acessada em 3 de julho de 2020. Naquele momento já eram mais de 10 milhões de casos.

Nesta segunda-feira (11), pelos dados da Johns Hopkins, já são mais de 90 milhões de casos e 1,9 milhão de mortes no mundo.

Segundo o Ministério da Saúde, o artigo supostamente comprovaria “a eficácia do tratamento precoce na evolução da Covid-19”. Mas não é bem assim.

O artigo – ressalte-se, no ar desde agosto de 2020 – destaca que “futuros ensaios randomizados testando os princípios e agentes discutidos irão indubitavelmente refinar e esclarecer seus papéis individuais; no entanto, enfatizamos a necessidade imediata de orientação para a gerência em ambiente de amplo consumo de recursos hospitalares, morbidade e letalidade”.

Reprodução/The American Journal of Medicine
O artigo, portanto, foi escrito ‘a quente’, em um momento em que o entendimento sobre os tratamentos não estava desenvolvido como hoje.

Diz o Ministério da Saúde: “A instrução publicada em forma de artigo científico cita o sucesso em combinar antivirais e vitaminas, citando inclusive, o zinco, a azitromicina e a hidroxicloroquina, amplamente utilizadas no protocolo do Governo Federal no enfrentamento à pandemia”.

Reprodução/The American Journal of Medicine
Mas está escrito no artigo que o Instituto Nacional de Saúde americano, o NIH, encerrou em junho de 2020 um ensaio clínico com hidroxicloroquina e azitromicina, tendo recrutado apenas 20 dos 2 000 pacientes necessários.

Pior ainda: o artigo afirma que esse esforço “serve como o melhor exemplo atual em funcionamento da falta de plausibilidade de ensaios para Covid-19 em pacientes externos”, ou seja, aqueles não hospitalizados.

O propósito do artigo, lá em agosto, era justamente oferecer orientações na ausência de ensaios clínicos à época.

Leia mais: Nenhum assunto é tabu para a Crusoé: além de fiscalizar TODOS os poderes, a revista tenta responder a questões que permeiam a sociedade brasileira
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO