Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

CPI da Covid vota hoje o relatório final

Documento pede indiciamento de mais de 70 pessoas, incluindo o presidente, seus três filhos, ministros, ex-ministros, deputados, médicos e empresários
CPI da Covid vota hoje o relatório final
Reprodução/TV Senado/YouTube

A CPI da Covid vota daqui a pouco o relatório final elaborado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL). A análise do parecer, recheado nos últimos dias com novos pedidos de indiciamento, será o último ato da comissão — que foi criada há seis meses para investigar ações e omissões do governo de Jair Bolsonaro durante a pandemia.

Em seu relatório, Renan pedirá a responsabilização das empresas Precisa Medicamentos e VTCLog, e de mais de 70 pessoas, incluindo o presidente da República, seus três filhos (Flávio, Carlos e Eduardo), ministros, ex-ministros, deputados federais, médicos e empresários.

Uma vez aprovado pelo colegiado, o documento será encaminhado ao Ministério Público para abertura de investigações. Senadores apostam em usar o documento também para a abertura de um novo pedido de impeachment.

As apurações da CPI concluíram por “evidente descaso” e “deliberado atraso” do governo na aquisição de vacinas; “forte atuação” da cúpula do governo, em especial do presidente da República, na disseminação de notícias falsas sobre a pandemia; existência de um gabinete paralelo que aconselhava Bolsonaro à margem das diretrizes científicas; inclusive, promovendo a tese de contaminação natural (imunidade de rebanho), enquanto promovia o chamado “tratamento precoce” como política pública, desestimulando a adoção de medidas preventivas, como o uso de máscaras e o distanciamento social.

A CPI pedirá, portanto, o indiciamento de Bolsonaro pelos crimes de epidemia com resultado morte, infração de medida sanitária preventiva, charlatanismo, incitação ao crime, falsificação de documento particular, emprego irregular de verbas públicas, prevaricação, crimes contra a humanidade e crimes de responsabilidade (violação de direito social e incompatibilidade com dignidade, honra e decoro do cargo).

 

 

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO