Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

CPI reafirma irregularidades em contratos da VTCLog, e sócio culpa pandemia por aditivos

O sócio da empresa Roberto Nonato Brasil e a diretora Andréia Lima tentaram explicar as operações suspeitas realizadas em dinheiro vivo
CPI reafirma irregularidades em contratos da VTCLog, e sócio culpa pandemia por aditivos
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Ao longo da sessão de hoje da CPI da Covid, os senadores reafirmaram várias suspeitas de irregularidades nos contratos da VTCLog com o Ministério da Saúde. Entre elas, estão aditivos sem justificativas e a formalização de contratos sem licitação.

Os senadores também questionaram, ao longo da sessão de hoje, o fato de a empresa fazer várias operações em dinheiro vivo. Segundo os parlamentares, isso é um indicativo de que a VTCLog operou um esquema de pagamento de propina a parlamentares do PP.

No início da sessão, Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI, disse que a empresa firmou oito contratos sem licitação com o Ministério da Saúde no valor de R$ 335 milhões.

Além disso, os senadores ratificaram que a empresa firmou um aditivo com a pasta, já na pandemia de Covid, por um valor 18 vezes maior que o recomendado pela Consultoria Jurídica da Saúde.

O sócio da VTCLog, Raimundo Nonato Brasil, disse que essa era uma demanda da própria pasta.

“A VTCLog não nasceu na pandemia e foi por conta de sua experiência e capacidade operacional e respeito ao mercado que ela foi capaz de suportar o aumento da demanda de recebimento e distribuição de milhares de EPIs, álcool em gel, máscaras e aventais, respiradores, cilindros e usinas de oxigênio”, afirmou Brasil.

Além disso, o sócio da VTCLog também negou que conhecesse o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR) ou que tivesse pago propina ao ex-diretor de logística da Saúde Roberto Dias.

Mais notícias
TOPO