Cresce o caso da “doméstica laranja”

O JN entrou com tudo no caso da doméstica Ângela Maria do Nascimento, colocada de laranja numa prestadora de serviço da campanha de Dilma. O Antagonista já mostrou aqui que as suspeitas de irregularidades vão além da empresa criada em nome de Ângela. Sua patroa Juliana Dini e o irmão Flávio Dini, além do primo Fernando Dini, vereador do PMDB, estão à frente de um grupo de empresas que atuaram juntas na eleição, faturando mais de R$ 6 milhões. Ao menos uma das companhias do grupo, a Izzoplast, é investigada por integrar um cartel nacional de sacos de lixo.

Gilmar Mendes, investigue logo toda essa sujeira.

Faça o primeiro comentário