Cristovam lamenta falta de unidade do centro e pede 'voto útil'

Telegram

Cristovam Buarque lamenta o fato de o chamado “centro democrático” não ter se unido na corrida presidencial deste ano.

O senador, que tenta a reeleição no Distrito Federal pelo PPS, foi um dos idealizadores do “polo democrático e reformista”, lançado em junho deste ano.

“Tenho a convicção de que se o esforço que fizemos — Marcos Pestana, Heráclito Fortes, eu e outros — [para unir o centro] tivesse alcançado sucesso, teríamos evitado o risco de sermos levados a um segundo turno para escolher entre um desastre ou uma catástrofe.”

Cristovam diz ser “uma pena” o fato de candidatos não terem topado “uma unidade a favor do país”.

“Caso isso acontecesse, estaríamos caminhando hoje para um segundo turno entre uma posição extremista e uma mais responsável, mais equilibrada.”

O senador acrescenta:

“Mas nós tentamos. Agora, esse equilíbrio que pregamos no manifesto do polo democrático e reformista está nas mãos do eleitor. É o eleitor quem pode conseguir isso, por meio do voto útil.”

Comentários

  • Alexandre -

    Esse e todos os socialistas vêem como desastre ou catástrofe a eleição de qualquer um que não pense como eles, obviamente....

  • Louisc1 -

    Esse centro democrático passa a mão em esquerdopatas, e e tíbio a favor da Lava-Jato. E aí, sifu, então ninguém quer saber de tibieza com a esquerda. O PSDB fez isso e deu no que deu.

  • Edu -

    Não vemos o senador Cristovam Buarque chamar de "extremista" a pessoa que chamou Bolsonaro de estuprador, a pessoa que cuspiu na cara do Bolsonaro ou a pessoa que esfaqueou o Bolsonaro.

Ler 63 comentários