Crônica de um impeachment (IV)

A dupla empenhou-se no adiamento da votação das pedaladas no TCU. Com medo do impasse e do aprofundamento da crise, o empresariado decidiu recuar. Dilma recorreu a Lula, que se reuniu secretamente com Temer no aeroporto de Congonhas.

De mãos atadas, Temer fingiu não saber de nada e reafirmou o seu compromisso com o PT. Lula pressionou por uma agenda pública que corroborasse a aliança. A máquina do Estado foi posta em marcha com o patrocínio de jantares, inaugurações e ações de movimentos sociais.

Mas, no meio do caminho do acordão, surgiram as grandes manifestações de domingo.

(Leia aqui o capítulo III)

(Leia aqui o capítulo II)

(Leia aqui o capítulo I)