​Custo Brasil até em velório

O Estadão mostra que os investigadores que devassam o esquema de propina nos empréstimos consignados, do qual Paulo Bernardo era “patrono”, descobriram que o grupo não esperava nem o corpo de um “colaborador” esfriar para voltar a agir.

“Com a morte de Duvanier Paiva (secretário de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, em 19 de janeiro de 2012), mostra-se necessário obter auxílio de novas pessoas para a manutenção do esquema”, afirma a denúncia do MP.

“Valter Correia – secretário-executivo do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão é cooptado pelo esquema. No próprio velório de Duvanier Paiva, o assunto é tratado pela primeira vez com Valter Correia, com a participação inclusive de Pablo Kipersmit (presidente da Consist no Brasil).”

Faça o primeiro comentário