Daniel Silveira já admitiu o hábito de gravar conversas

Daniel Silveira já admitiu o hábito de gravar conversas
Foto: Reprodução/Redes Sociais

Ontem registramos uma reportagem do Estadão sobre o hábito de Daniel Silveira, o deputado federal bolsonarista que está preso por ter ameaçado ministros do STF, de gravar conversas clandestinamente, inclusive com Jair Bolsonaro.

Silveira grava conversas desde o início do mandato. Foi ele, inclusive, que gravou uma reunião da bancada do PSL em 2019, quando, entre outras coisas, o colega Delegado Waldir chamou o presidente da República de “vagabundo” relembre aqui.

Na ocasião, o próprio Silveira admitiu a O Antagonista o hábito — releia aqui a entrevista.

“Tivemos que trabalhar como infiltrados ali para poder conseguir acessar as informações, senão não tinha como. Era uma cúpula fechada tramando contra a República.”

Em outubro daquele ano, o deputado Júnior Bozzella, ao chegar a uma convenção do PSL, já rachado, defendeu a punição de Silveira justamente pela mania de gravar tudo.

“A gente não pode tolerar esse tipo de pessoa. Ele já gravou várias vezes o presidente Bolsonaro, sem o presidente saber.”

Também na época, Joice Hasselmann chegou a pedir a expulsão de Silveira do partido por esse motivo.

Leia mais: A prisão do deputado Daniel Silveira, que ofendeu ministros do STF num vídeo, é mais um capítulo da avacalhação da democracia brasileira.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO