Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Debandada no Inep tem cunho ideológico, alega Ricardo Barros

Mais de 30 servidores que deixaram o instituto às vésperas da aplicação do Enem já iam 'ser saídos', afirmou o líder do governo Bolsonaro na Câmara
Debandada no Inep tem cunho ideológico, alega Ricardo Barros
Foto: Alan Santos/PR

Ricardo Barros (foto), o líder do governo de Jair Bolsonaro na Câmara, minimizou nesta segunda-feira (8) as demissões coletivas no Inep, instituto ligado ao Ministério da Educação e responsável pela aplicação do Enem, às vésperas do exame deste ano, marcado para 21 e 28 de novembro.

O deputado disse ao Estadão que a saída dos mais de 30 servidores do Inep teve cunho ideológico.

“Faz parte do contexto político. Está cheio de gente aí que quer aparecer e criar fato político, como o cara [Oswaldo Lucon] que pediu demissão lá na COP-26. Agora esses aí pedem demissão coletiva”, alegou Barros.

“Eles percebem que não vão se encaixar no novo projeto e acabam criando um fato, para parecer que eles é que estão saindo. Mas eles iam ser saídos mesmo. Está tudo certo, não tem nada demais”, acrescentou o líder do governo.

Mais cedo, conforme publicamos, o ministro Milton Ribeiro veio a público dizer que o cronograma das provas do Enem está mantido.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO