Defesa de sócio da Yacows pede para ter direito de ficar calado

O advogado de Lindolfo Antônio Alves Neto, sócio da Yacows, foi o primeiro a falar na sessão de hoje da CPMI das Fake News.

Ele afirmou que a defensa entende que Lindolfo é investigado, e não testemunha, na CPMI.

Por isso, deve ter o direito de não responder às perguntas que julgue produzirem provas contra ele. O advogado, porém, ressaltou que Lindolfo pode responder aos parlamentares.

Rui Falcão, autor do requerimento, afirmou não ter objeção ao pedido do advogado, já que a Constituição assegura o direito de não produzir provas contra si.

COMO ELE VIROU O VICE QUE BOLSONARO QUER. Saiba mais
Mais notícias
TOPO