Delator diz que empresário pagou propina a delegado para investigar ex-sócio

Investigadores da Operação Tergiversação descobriram que um grupo de advogados intermediava, mediante pagamento de propina, os interesses de empresários junto a policiais federais na superintendência da PF no Rio.

Um dos casos que resultou em busca e apreensão na última quinta-feira mostra como um empresário teria repassado R$ 50 mil a um delegado federal para ele investigar um ex-sócio com quem mantinha disputa judicial, diz a Crusoé.

Segundo delação de Marcelo Guimarães, advogado que integrava o grupo, o empresário Arthur Pinheiro Machado, dono da Americas Trade Group, pagou R$ 50 mil ao delegado Lorenzo Martins Pompílio em troca da investigação sobre seu ex-sócio Alberto Francisco da Cunha e Silva Jacobsen.

Leia aqui a nota completa.

Leia mais: Marco Aurélio e o caso André do Rap: confira os desdobramentos com informações exclusivas
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 13 comentários
TOPO