Delatores da J&F jamais atribuíram crimes a mais de 1.800 pessoas, diz defesa

Delatores da J&F jamais atribuíram crimes a mais de 1.800 pessoas, diz defesa
Comissão Parlamentar Mista de Inquérito da JBS (CPMI-JBS) e CPI do BNDES (CPIBNDES) realizam depoimento do controlador do grupo J&F. Em destaque, controlador do grupo J&F, Joesley Batista. Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

A defesa de Joesley Batista quer aproveitar a repactuação do acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República para esclarecer e retificar pontos que diz terem sido distorcidos por vazamentos.

Segundo o advogado André Callegari, responsável pela defesa do empresário, atribuíram à delação relatos que nela não estão, como a imputação de crimes a pessoas que foram apenas mencionadas.

“Os colaboradores mencionaram, sim, doações eleitorais a partidos, e estes distribuíram a mais de 1.800 candidatos. Mas, jamais atribuíram crimes a mais de 1.800 pessoas”, diz Callegari em nota divulgada nesta sexta-feira (13/3).

O criminalista afirmou que não há nova delação. “Eles relataram em 2017 tudo aquilo que era de seu conhecimento. Não há, portanto, nenhum fato novo a ser relatado às autoridades”.

Nesta semana, Edson Fachin suspendeu o processo de rescisão da delação da J&F no Supremo Tribunal Federal. A decisão atende a um pedido da PPGR, que pediu 60 dias de prazo para as tratativas de repactuação do acordo com os delatores do grupo.

Leia a íntegra da nota:

“Diferentemente do que se divulgou, os colaboradores da J&F não farão “nova delação”. Eles relataram em 2017 tudo aquilo que era de seu conhecimento. Não há, portanto, nenhum fato novo a ser relatado às autoridades. O que se busca com a conciliação é esclarecer e retificar pontos que, distorcidos em vazamentos, atribuíram à delação relatos que nela não estão, como a imputação de crimes a pessoas que foram apenas mencionadas. Os colaboradores mencionaram, sim, doações eleitorais a partidos, e estes distribuíram a mais de 1.800 candidatos. Mas jamais atribuíram crimes a mais de 1.800 pessoas.”

André Callegari, advogado de Joesley Batista

Mais lidas
  1. PDT acusa Bolsonaro de peculato por compra de leite condensado

  2. Justiça Federal suspende distribuição da vacina de Oxford em Manaus

  3. ENTREVISTA: Wilson Lima diz que Pazuello ajuda a 'agilizar demandas', mas que 'ainda falta oxigênio'

  4. Auditores fiscais cobram reforma tributária

  5. Governo já pagou 1 bilhão por IFA de vacinas da AstraZeneca

Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 9 comentários
TOPO