Delcídio e Cerveró já roubaram antes

Delcídio Amaral é alvo de um segundo inquérito que tramita no STF desde 2013. O caso está nas mãos do ministro Roberto Barroso e corre em segredo de justiça.

Trata de contratos da Petrobras com as americanas Enron e El Paso, e com a brasileira MPX, de Eike Batista, que ganharam sem licitação contratos para a operação das termoelétricas Eletrobolt, Macaé Merchant e TermoCeará – a TermoLuma.

Nessas operações, a Petrobras acumulou R$ 2 bilhões em prejuízos.

Nestor Cerveró era o gerente-executivo de Delcídio. Quem mais fazia parte dessa equipe campeã? Luiz Carlos Moreira da Silva e Rafael Mauro Comino, que caíram na Operação Corrosão, 20a fase da Lava Jato, por terem embolsado propina na compra de Pasadena.

Faça o primeiro comentário