Delegado da PF avisou Flávio Bolsonaro que Queiroz seria alvo de operação, diz Paulo Marinho

Telegram

O empresário Paulo Marinho — que foi um dos apoiadores mais próximos a Jair Bolsonaro durante a campanha presidencial — disse à Folha que Flávio Bolsonaro, então candidato ao Senado, foi informado com antecedência por um delegado da PF que seria deflagrada a Operação Furna da Onça, que tinha Fabrício Queiroz, assessor de Flávio, como um dos alvos.

Segundo Marinho, suplente de Flávio no Senado e hoje pré-candidato a prefeito do Rio de Janeiro pelo PSDB, os policiais federais teriam retardado a operação para depois do segundo turno da eleição presidencial, para que a campanha de Bolsonaro não fosse prejudicada. O relato do ex-aliado do presidente foi confirmado por O Antagonista.

O delegado informante de Flávio, segundo Marinho, teria ainda sugerido que ele tomasse “providências” e orientado o filho 01 do presidente a demitir Queiroz, acusado de operar um esquema de rachadinha, e a filha do ex-assessor, que na época estava lotada no gabinete do então deputado Jair Bolsonaro, antes que a Furna da Onça fosse deflagrada — o que foi feito.

Leia também: JORNALISMO DE VERDADE NÃO É PARA AGRADAR AOS PODEROSOS

Ainda de acordo com Marinho, essas revelações foram feitas a ele pelo próprio Flávio, depois que a Furna da Onça já havia sido realizada. “Absolutamente transtornado”,  o filho de Bolsonaro o procurou, a pedido do pai, porque queria uma indicação de um advogado, já que as investigações o implicavam.

A Operação Furna da Onça foi deflagrada em 8 de novembro de 2018, uma semana depois do segundo turno da eleição presidencial. Queiroz já estava sumido em dezembro, mas Flávio mantinha contato indireto com o ex-assessor, através de um advogado do seu gabinete, de acordo com Marinho.

Comentários

  • FELIPE -

    Grandes merda...

  • Roberto -

    tic...tac...tic...tac...

  • rogerio -

    Ué a policial federal é corrupta? Atrasou p beneficiar?

Ler 250 comentários