DEM vota ‘sim’

Ronaldo Caiado, líder do DEM, defendeu em nome da bancada a aprovação do relatório de Antonio Anastasia.

Caiado relembrou a “peça orçamentária fictícia” encaminhada por Dilma ao Congresso em 2015, que começou o ano com previsão de superávit de R$ 86 bilhões e terminou o ano com déficit de R$ 118 bilhões.

“Se hoje os programas sociais estão em risco é porque estão nos entregando um país em frangalhos. Vamos tomar uma decisão rápida para resgatar os direitos que foram retirados do trabalhador por esse modelo demagógico e populista.”

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;

Ler 13 comentários
  1. “Mas a ambição do homem é tão grande que, para satisfazer uma vontade presente, não pensa no mal que daí a algum tempo pode resultar dela.” Maquiavel

  2. .Guerra Civil Central Única dos Trabalhadores (CUT) anunciou greve geral em todo o país no próximo dia 10 de maio, dois dias antes da votação da admissibilidade do processo de impeachment contra a presidente Dilma.

  3. Guerra civil nada,vai ter é alegria.O pessoal do mal,enfim, vai sair de cena.Cadeia nos malfeitores. MST,MTST,vão trabalhar vagabundos,vão produzir o pão que todos quem produzir para comerem,deixem de ser parasitas.Enfim Fora Dilma,Fora Pt,Fora Lula,vá para muito longe do Brasil.Vai para Cuba.

  4. Lembro de um comentário, quando o Palmeiras caiu pela primeira vez, que um jornalista disse… “Agora o rebaixamento é para todos”. Analogamente, a responsabilidade fiscal agora é para todos… Finalmente, alcançamos a Inglaterra de 1215 .

  5. Lindbergh está visivelmente transtornado. Está precisando de reforço químico e não é ômega3. Gleisi é puro teatro. Foi chefe da Casa Civil e só faltou apanhar de Dilma, que nunca mais falou com a senadora eleita por Itaipu/PT. O caso de Vanessa é exclusivamente de exibição televisiva. E Fátima Bezerra é puro ressentimento. Sabe gente feia, que não se aceita.

  6. A Central Única dos Trabalhadores (CUT) anunciou uma greve geral em todo o país no próximo dia 10 de maio, dois dias antes da votação da admissibilidade do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.