Demanda por oxigênio em Manaus aumentou cinco vezes nos últimos 15 dias, diz empresa

Demanda por oxigênio em Manaus aumentou cinco vezes nos últimos 15 dias, diz empresa
Foto: Divulgação/Centro de Comunicação Social da Aeronáutica

A demanda por oxigênio em Manaus aumentou cinco vezes nos últimos 15 dias e chegou a 70 000 metros cúbicos por dia, segundo a fornecedora White Martins.

“Para se ter uma ideia, durante a primeira onda da pandemia, entre abril e maio de 2020, o consumo alcançou um pico de volume de 30 000 metros cúbicos por dia”, acrescentou a empresa, em nota enviada a O Antagonista.

O consumo hoje equivale a quase o triplo da capacidade nominal da unidade em Manaus, de 25 000 metros cúbicos por dia.

A empresa informou ter conseguido ‘recentemente’ “ampliar até o limite máximo a capacidade de produção da planta de Manaus – de 25 para 28 mil metros cúbicos por dia”, e direcionado “toda a produção de oxigênio da unidade para o segmento medicinal”.

A White Martins diz também ter iniciado neste mês uma operação, em cooperação com as autoridades e as Forças Armadas, para trazer oxigênio de fábricas localizadas em outros estados. Isso inclui o envio de cilindros com apoio da FAB.

Procurada, a Aeronáutica não informou a O Antagonista o número de cilindros enviados com sua ajuda, mas a White Martins disse que ao todo são 500.

A White Martins também disse que trabalha agora para viabilizar a importação de oxigênio da Venezuela. Disse ainda ter pedido à Anvisa para que a agência autorize a flexibilização temporária, em caráter excepcional, do percentual mínimo de pureza do oxigênio medicinal produzido no Amazonas.

Em nota, a Secretaria de Saúde do Amazonas alegou que o governo “[d]esde que foi informado pela empresa responsável pelo fornecimento de oxigênio para as unidades de Saúde do Estado das dificuldades para manter o abastecimento (…) empreendeu todos os esforços para adquirir o item, tendo ido buscá-lo, inclusive, fora do Estado”.

“O consumo diário de oxigênio em janeiro de 2021 chegou a 76,5 mil metros cúbicos, enquanto a produção da empresa, segundo dados apresentados ao Comitê de Resposta Rápida – Enfrentamento Covid-19, composto pelos governos estaduais, municipais e federais, é de cerca de 28,2 mil metros cúbicos”, acrescentou a secretaria.

“O governo segue atuando de forma conjunta com o Governo Federal e Prefeitura de Manaus para solucionar a questão do abastecimento de oxigênio e, enquanto as dificuldades logística de transporte do item não são equacionada, será realizada a transferência de pacientes para outros Estados. Serão transferidos 235 pacientes e, nesta quinta-feira, devem ser enviados 90 pacientes para São Luís, Teresina e Brasília”.

A prefeitura de Manaus, por sua vez, informou que a rede municipal de saúde é focada na atenção básica e não trabalha com oxigênio.

Leia mais: Assine a Crusoé, a revista que não tem medo de apontar os verdadeiros culpados pelas mazelas brasileiras.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO