Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Deputado acusa Doria de enviar emissário a estados para cobrar apoio nas prévias

Tesoureiro nacional do PSDB, César Gontijo, nega acusação e diz que fez visita de cortesia a prefeito de Governador Valadares
Deputado acusa Doria de enviar emissário a estados para cobrar apoio nas prévias
Foto: Divulgação, Lide

Os tucanos continuam se bicando. No Twitter, o deputado estadual Gustavo Valadares (PSDB), líder do governo Zema na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, acusou o tesoureiro nacional do PSDB, César Gontijo, de usar o cargo para pressionar prefeitos em troca de apoio a João Doria nas prévias.

Ele estaria cobrando a ‘fatura política’ de prefeitos contemplados com fundo eleitoral em suas campanhas em 2020.

Valadares se disse “estarrecido” e chamou a ação de “tentativa vergonhosa de usar os recursos públicos e cobrar a fatura”. “Aqui em Minas não aceitamos isso! Vá embora César Gontijo e leve contigo a sua petulância!”

Sua declaração foi respaldada pelo PSDB de Minas Gerais, presidido pelo deputado federal Paulo Abi-Ackel. “Valadares está certo ao questionar atitude que não é ética. Prévias livres e democráticas: é o que queremos! Os mineiros não aceitam pressão.”

O Antagonista apurou que Gontijo já teria passado em Pernambuco e, depois de Minas Gerais, estaria preparando visita ao Rio Grande do Norte.

O último a receber a visita do emissário de Doria foi o prefeito de Governador Valadares, André Merlo, que teria ficado assustado com a abordagem e se queixado internamente no partido. Gontijo também teria cobrado a realização de evento local com a participação do governador de SP.

Segundo fontes do PSDB mineiro, Merlo avisou que não iria hipotecar apoio a nenhum candidato sem consultar a executiva estadual, cuja preferência até o momento é pelo nome de Eduardo Leite.

Ontem, Aécio Neves acusou Doria de enviar “emissários pelo país oferecendo pagar dívidas de campanhas passadas e financiamento para campanhas futuras”.

César Gontijo nega qualquer tipo de pressão. “A eleição municipal acabou“, disse a O Antagonista.

tesoureiro do PSDB admitiu que realmente esteve com Merlo, de quem se diz “amigo e admirador”. “Mas apenas para conversar, exercendo o livre exercício da política.”

E responsabiliza Valadares, líder do governo de Romeu Zema  (Novo) em Minas Gerais, por uma suposta tentativa de intimidar os prefeitos tucanos no estado, ao divulgar falsas pressões.

Não conheço este cidadão e eu, como um dos fundadores do PSDB e membro da Executiva Nacional, devo dizer que a conduta deste deputado não condiz em absolutamente nada com a educação do povo mineiro e muito menos com a história do nosso partido. Quem me conhece e conhece a minha trajetória sabe que eu acredito da liderança construída com respeito a todos“, disse.

O tesoureiro acrescentou: “Lamentável que o medo pela perda do poder tenha provocado tamanho destempero no deputado. Não me consta que Minas tenha dono, assim como São Paulo e nenhum outro estado do Brasil, como infelizmente pensa o deputado Gustavo Valadares“.

Mais notícias
TOPO