Deputado do DEM admite "situação esdrúxula" em jabuti da anistia, mas defende que "igrejas não têm lucro"

O deputado federal Luis Miranda (DEM) também assinou a emenda de autoria do colega de bancada David Soares, filho do missionário R. R. Soares, que garantiu perdão às dívidas das igrejas com o Fisco.

Como temos noticiado, Jair Bolsonaro tem até o fim desta semana para sancionar ou não essa medida, aprovada pela Câmara e pelo Senado.

A O Antagonista, Miranda disse que, na verdade, “teve de apoiar” a emenda por ser, à época, em julho, vice-líder do bloco parlamentar liderado por Arthur Lira (PP) e ao qual o DEM fazia parte.

Sobre o mérito da emenda, ele comentou o seguinte:

“É interessante o caso deles. Foi cobrado deles [das igrejas] lucro, mas igreja não produz lucro, não deveria produzir. Houve uma correção na lei, mas essa correção não retroagiu. O que eles pretendiam era que aquele erro não pudesse mais retroagir. Eu escutei isso e disse: ‘Vamos para o plenário, é voto, não vou entrar no mérito da matéria’.”

Na verdade, a Receita Federal descobriu que as igrejas estavam usando a remuneração do pastor, que é isenta de tributos, para distribuir participação nos lucros. Foi isso que deu início à guerra entre o Fisco e as igrejas.

Perguntamos a Miranda se ele entende que havia relação entre a emenda em questão e o projeto no qual ela foi inserida, que tratava de regulamentação de pagamentos de precatórios durante a pandemia da Covid-19.

O deputado sorriu. E respondeu:

“Isso foi uma situação esdrúxula, né? Porque são assuntos complemente distintos. A Mesa Diretora pode ter entendido que era um assunto de finanças também. Você vai ouvir todos os argumentos.”

Luis Miranda confirmou que o governo apoiou a emenda, após a Receita sinalizar que era preciso mudar a lei para que parassem de cobrar das igrejas.

Questionamos também se o fato de o autor da emenda ser filho do missionário R. R. Soares não deixou os pares, no mínimo, encabulados.

“Se fosse alguma coisa com a qual eu não concordasse, seria um negócio horrível. Mas todos nós entendemos o caso. Tributaram os lucros e não existe isso, não existe lucro de igreja. Pelo menos, igreja é para ser uma entidade filantrópica, não existe lucro.”

Está bom, igrejas não têm lucro.

Mais lidas
  1. PDT acusa Bolsonaro de peculato por compra de leite condensado

  2. Mandetta tem imagem mais positiva, diz pesquisa

  3. Sobra leite condensado, falta transparência do governo

  4. O Pazuello da Economia

  5. Polícia Federal aparelhada?

Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 63 comentários
TOPO