Derrotado em eleição no ES culpa Magno Malta

Carlos Manato, que ficou em segundo lugar na disputa pelo governo do Espírito Santo –perdeu no primeiro turno para Rento Casagrande–, culpou Magno Malta pela derrota, informa Crusoé.

Segundo o deputado federal do PSL, o senador, que não conseguiu se reeleger, teria dito a Jair Bolsonaro que sua candidatura ao governo capixaba não tinha chances de ganhar.

Clique AQUI para ler a íntegra da reportagem de Igor Gadelha em Crusoé.

O 1º turno foi animador, mas insuficiente para assegurar a continuidade da faxina contra a corrupção. Veja mais AQUI

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Ler mais 31 comentários
  1. O Magno Malta, tem várias polêmicas pessoais, e escândalo no meio evangélico. Que pesaram na sua terra natal. Porém, o eleitorado capixaba apoiou o Marcos do Val, que é defensor de porte e da po

  2. Por que o Magno Malta, apoiador de primeira hora do Bolsonaro não foi eleito? Por que o critério estabelecido pelo O Antagonista de que o Bolsonaro ajudou a eleger parlamentares aqui falhou?

  3. Lamento o comentário do Manato. Ele não perdeu por isso. Perdeu porque concorreu com um ex-governador que foi excelente para o Estado que só não se re-elegeu em 2014, porque concorreu com o Hartun

    1. E por quasse não foi por segundo turno com Casagrande, os capixaba só sabem vota em Casagande ou Hartung. Não duvido que Paulo Hartung venha a concorrer em 2022.

    2. Oque ele disse é verdade, não sei quem disse que a candidatura de Manato era um ‘sacrifício’ até eu que votei nele fiquei desanimado com isso.

  4. A falta de sorte do Manato foi pegar o Casagrande. Contra qualquer outro ele ganharia fácil. O azar do hadad foi encarar um titã do porte de Bolsonaro. Contra qualquer outro o hadad também perderia

  5. Não sei por que Manato falou isso… mas, aqui no ES, Casagrande foi um bom governador… e, o povo gosta dele. Acho que foi azar do Manato ter concorrido com Casagrande. Não foi do Malta a culpa