ACESSE

Desembargador investigado solta 30 no Rio por causa do novo coronavírus

Telegram

Por causa do novo coronavírus, o desembargador Siro Darlan, do TJ do Rio, mandou para a prisão domiciliar 30 presos temporários e ou que cumpriam penas em regime semiaberto ou aberto, informa o Conjur.

Nas decisões, disse que a manutenção deles na cadeia equivale ao crime de genocídio.

“A manutenção de prisioneiros nas condições atuais de pandemia mundial corresponde à prática de um crime contra a humanidade, tipificado de genocídio, cuja autoria já está identificada pelos agentes da lei que assinam os mandados de prisão.”

Em setembro do ano passado, o próprio magistrado foi alvo da Operação Plantão, por suspeita de vender um habeas corpus, em 2016, a Jonas Gonçalves da Silva.

Investigado por integrar milícia, ele foi solto durante um plantão judiciário noturno. Pela liberdade, teria pago R$ 50 mil.

Siro Darlan é suspeito de vender HC a miliciano por R$ 50 mil

Leia também: CORONAVÍRUS: INFORMAÇÃO É (AINDA) MAIS IMPORTANTE NA GUERRA.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 61 comentários