Desmembramento da Acrônimo trava investigação

O Ministério Público Federal espera há cinco meses a decisão do STJ sobre o desmembramento do inquérito da Operação Acrônimo, que investiga esquema de corrupção e lavagem de dinheiro montado pelo empresário Benedito Oliveira, o Bené, considerado operador de Fernando Pimentel.

O caso subiu para as mãos de Herman Benjamin em 19 de junho. Desde então, o ministro determinou à Polícia Federal algumas diligências para dar mais consistência ao caso.

Recentemente, o procurador Ivan Claudio Marx solicitou o compartilhamento das provas para a subprocuradora Ela Wiecko, mas foi orientado a esperar até que a PF avalie tudo o que já foi apreendido. Com o material em mãos, o ministro avaliará a conveniência de desmembrar a investigação.

Como governador, Pimentel tem prerrogativa de foro e só pode ser investigado pelo STJ. Mas a investigação sobre Bené e seu laranjal poderia voltar para a Justiça Federal de primeira instância. Por enquanto, o inquérito civil está suspenso no MPF.

Fontes da PF ouvidas pelo Antagonista garantem que o STJ já tem tudo para analisar o caso, dependendo apenas do próprio ministro.

Faça o primeiro comentário