Detenham Arthur Lira

Depois de tanto lenga-lenga, líderes partidários na Câmara chegaram a um acordo para votar a PEC do fim das coligações e da cláusula de barreira.

Há um certo consenso de que a proposta, embora cheia de lacunas, é a opção viável neste momento para iniciar de alguma forma a chamada reforma política.

Arthur Lira, do PP, porém, está querendo tumultuar. Tem, inclusive, levantando a voz com alguns de seus colegas para dizer que não abre mão do distritão. Ele vai tentar emplacar mudanças de última hora no texto por meio de destaques.

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Ler mais 6 comentários
    1. Distritão não é o problema. Não pode deixar eles incluírem o Fundão.
      Agora, se estão usando o Distritão só pra tumultuar e não votar nada, dane-se o Distritão e aprovem a Shéridan…

    2. A reforma política q quero:
      1) inclusao de candidaturas independentes,
      2) NADA de financiamento público de campanhas (gastem sola de sapato, usem redes sociais e comícios sem parafernália),
      3) voto em papel,
      4) RECALL
      5) voto distrital simples, pois aproxima o eleito do eleitor e barateia campanhas (ao restringir a área geográfica abarcada).

    3. Vocês falam de Distritão como se isso fosse um crime e não é nada além do que cumprir fielmente a vontade do eleitor. Quem tiver mais votos ganha e não tem que transferir votos de um Puxa-votos para um medíocre.
      Isso por acaso é ruim?
      Por que não se fala a verdade?

    Os comentários para essa notícia foram encerrados.