Digitais por toda parte

Além das digitais de Geddel Vieira Lima e de Gustavo Ferraz nos maços de dinheiro, a PF as encontrou também nas malas, nas paredes e na maçaneta da porta do apartamento.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;

Ler 17 comentários
  1. Examinem as imagens dos Aeroportos de Brasília e Salvador e vão encontrar a mala de Rocha Loures viajando de Brasília para Salvador e depois também verão a viagem de volta da mesma.
    Esse povo gosta de colecionar malas, principalmente recheadas de dinheiro!

  2. Dá pra entender agora porque Rocha Loures demorou 3 dias para devolver a mala dos R$ 500 mil reais?
    É simples: Ela estava junto com as outras malas em Salvador e leva um tempo para sair de Salvador e chegar até Brasília .
    Tudo indica que a quadrilha era colecionadora de malas!
    Que mal há em colecionar malas?
    Bom, tá certo que é muito suspeito colecionar malas cheias de dinheiro ilícito!
    Mas, que eles gostam de malas, eles gostam! Principalmente essas recheadas!
    Se examinarem a mala de Rocha Loures vão encontrar a mesma poeirinha das malas de Salvador, podem examinar!

  3. Agota está ficando interessante. Que são ladrões todos sabem, mas juram santidade de pés juntos, investigação com analise das digitais não se via mais falar, é por aí. Câmeras precisam ser instaladas no Palácio do Planalto que se tornou bunker desses bandidos.

  4. O FHC no livro dele, diários da presidência, conta como era a atuação do parlamentar Geddel:
    .
    “ [FHC] fui procurado pelo Michel Temer, pelo Jader Barbalho e pelo Geddel, que querem mudar o diretor do departamento de presídios do Ministério da Justiça (…) me pareceu um tanto estranho porque três dos principais líderes do PMDB queiram mudar um posto tão baixo e no qual existem licitações. Não quero me antecipar com maledicências, mas me deu uma ponta de preocupação”. (…) “O Geddel e o PMDB fizerem uma espécie de imposição: ou se nomeava o diretor do DNER [Departamento Nacional de Estradas de Rodagem] de Minas ou não me dariam os votos. A coisa de sempre”.
    .
    O Geddel se achava no direito de pôr contra a parede um presidente da república, três anos depois de escapar por pouco do escândalo dos anões do orçamento. Esse tem que prender e jogar a chave fora. Psicopata!