Dilma, a ilegal

A prisão de Delcídio Amaral paralisou o Congresso.

O projeto que muda a meta fiscal de 2015, admitindo um rombo nas contas públicas de 119,9 bilhões de reais, não foi votado ontem à tarde.

Renan Calheiros adiou a sessão para o dia 3 de dezembro.

O Estadão explicou as consequências desse adiamento para o governo Dilma Rousseff:

“A presidente ficou diante de um problema dramático. Ela tem até o dia 30 para o editar o próximo decreto de programação orçamentária – ainda sem a nova meta fiscal aprovada.

A escolha de Dilma será entre uma posição que pode paralisar completamente o governo, aplicando um duro corte de despesas federais, ou entre repetir uma manobra que já foi considerada ilegal pelos ministros do TCU, baseando o decreto na premissa da nova meta fiscal de 2015, ainda não votada”.

Dilma Rousseff, como sempre, vai optar pela manobra ilegal.

Faça o primeiro comentário