Dilma na ONU ou o impeachment vibrante

Dilma Rousseff não resistiu e, no final do seu blá-blá-blá sobre aquecimento global, disse que o país vive um momento grave, mas que não retrocederá ao autoritarismo, porque é uma democracia vibrante. E agradeceu a solidariedade que recebeu de Chefes de Estado.

Porque o Brasil é uma democracia vibrante, Dilma Rousseff sofrerá impeachment.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

  1. Ler mais 9 comentários
    1. Machado: Perfeito! Se observarmos, com a mente aberta, sem preconceitos, filtros, sectarismos, estereótipos ou deboche, o Império do Brasil, em especial o Segundo Reinado (Dom Pedro II) e os grandes planos para o Terceiro (Princesa Isabel), vamos concluir que perdemos não muito, mas tudo. Estamos pagando por esse erro até hoje. O programa “Direito sem Fronteiras” (TV Justiça), exibido originalmente no dia 09 de novembro de 2015, tratou exatamente do tema Monarquia: https://www.youtube.com/watch?v=MS4f_H7P2P8

    2. Que bom!!! Pq estaremos atentos, não queremos esquerdopatas e petralhas no governo. Não queremos a pasta da Comunicação inchada, o Brasil clama por decência. Se é um lugar onde adoraríamos ver o desemprego em massa é justamente nessa imprensa vendida, nos blog sujos, na fábricas que assassinam reputações.