¿Dilma, por qué no te callas?

Carmen Lúcia e Dias Toffoli disseram ontem à noite que impeachment não é golpe, esvaziando assim o discurso usado por Dilma e Lula. A ministra ainda aproveitou para desmontar a tese de que há um “ativismo judicial”, termo que a Folha adora usar.

“O Poder Judiciário não atua isoladamente, não atua de ofício, como nós dizemos. Atua por provocação. Então, quando se fala em ativismo judicial, é que o Judiciário ultrapassaria (suas atribuições) e não há demonstração nenhuma de que isso esteja acontecendo.”

Questionada sobre as declarações de Dilma, Carmen foi irônica: “Não acredito que a presidente tenha falado que impeachment é golpe. Impeachment é um instituto previsto constitucionalmente. Acredito que ela esteja exercendo a liberdade de expressão.”

Fala o que quer, ouve o que não quer.

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Ler mais 10 comentários
    1. O povo brasileiro duvida que algum funcionario da PF, preste-se ao papel de substituto dos atuais dirigentes da instituicao, tudo com objetivo de calar a Lava Jato. Um funcionario que se preste a este execravel papel sabe que sera sempre lembrado pelo resto de sua existencia, como aquele que traiu seus companheiros e aliou- se a ORCRIM que assalta o Brasil. Porisso, podem saber todos da organizacao criminosa: Seus dias estao contados! A PAPUDA espera por vcs.

    2. Atenção, JUSTIÇA – … e isto aqui não vale mais nada??? – então as delações e gravíssimas denúncias não têm mais valia??? – Nenhuma providência mais… parece que não existiram… Por quê!??? O povo exige respostas: aqui http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/delcidio-lula-comandava-o-esquema

    3. You don”t understand, Antagonista, como dizem nas séries americanas. O pessoal preferia em grana viva o correspondente aos objetos oferecidos como brinde. A laia já tinha tudo aquilo.

    4. Em seu depoimento no dia 04/03, Lula foi questionado a esse respeito: se conhecia o “taxista” e o fato de José Filiipi usar sempre o mesmo”taxista”. Pra variar, respondeu que não conhecia Worn.

    5. Antagonistas, dêem uma checada na legislação eleitoral porque brindes são proibidos em campanhas eleitorais. Penso que já eram proibidos em 2010.

    Os comentários para essa notícia foram encerrados.