Dinheiro de verdade

O biólogo Ismael Nobre, que faz parte da equipe de Jair Bolsonaro, quer salvar a floresta amazônica ganhando “dinheiro de verdade com ela”.

A BBC Brasil diz que “a ideia central do projeto é a de que o melhor caminho para preservar a mata é não entregá-la, por um lado, para a criação de gado e o cultivo de soja; e nem, por outro, imobilizá-la em reservas ambientais ‘sem utilidade’ para os moradores da floresta”.

Ele dá um exemplo:

“O açaí começou a se popularizar fora da Amazônia quando dois surfistas foram lá, provaram e gostaram. Poxa, por que temos que esperar o acaso para que mais produtos deste tipo possam ser descobertos? A economia do açaí gira hoje algo como US$ 1,6 bilhão por ano. Estamos falando de dinheiro de verdade aqui. O que queremos fazer é aumentar o leque”.

 

 

Mario Sabino e Diogo Mainardi convidam para o 1º Encontro de Antagonistas, dia 26. Vagas limitadas: confira AQUI CLIQUE AQUI

Temas relacionados:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 96 comentários
  1. Lembram-se do caso do envio de amostras de sangue de indígenas, com a desculpa de estarem pesquisando cura para doenças? Ou do cupuaçu que uma empresa japonesa quis patentear um produto?

  2. E outra. Já há muito que há nessa região pesquisadores disfarçados de ONGs de ajuda humanitária, de missionários, mas que estão é pesquisando e enviando todo o material para fora, escondido.

  3. Deixar tudo intocado em nome da ONU, das futuras gerações etc, é discurso estrangeiro para criar reservas para eles mesmos. Porque se usarmos a nosso favor deixa de ser reserva estratégica para el

  4. Em algumas área o Brasil é ponta e não deve nada a ninguém. Exemplos: na área de ciências biológicas, agronomia, zootecnia, biomedicina, medicina, geologia, exploração do pré-sal. Basta inve

  5. O Brasil tem técnicos, engenheiros e cientistas muito capacitados nas mais diversas áreas para usarmos com sabedoria o que é nosso, sem destruir, devastar e causar desequilíbrios. É nosso interes

  6. Nossa soberania, autodeterminação, independência não se discutem nem se negociam. O que é nosso, é nosso e ponto final. Daí surgem questões que vêm na verdade de fora, como as demarcações d

  7. Por isso em nome da ecologia, do “aquecimento” terrestre, do efeito estufa, da falta de água, da fome mundial, dizem que o Brasil não pode ficar com essa enormidade que é a Amazônia e a Amazôni

  8. Não tem de ficar “intocado” em nome da ONU ou o que quer que seja. O que existe na realidade é esse discurso ecoterrorista que embute interesses poderosíssimos que não são do Brasil, são estra

  9. Quanta ciência, tecnologia, produtos, serviços poderiam sair de lá? Muita riqueza, pois temos água, biodiversidade, minerais, terras raras, metais raros como ninguém tem. Usaremos tudo.

  10. Vamos lá pesquisar, explorar e desenvolver as potencialidades para o nosso próprio proveito, interesses e necessidades. Por que não? Não tem de ficar intocado para a “humanidade”.

  11. Concordo. A ministra da Agricultura precisa reunir urgente com o produtor e ambientalista Ernest Gosts. A criação da AGROFLORESTA por ele é a solução para a agricultura familiar e de escala.

    1. Outra noção errônea é a de que a exploração de uma espécie vegetal ou animal pode levar à sua extinção. Há formas inteligentes se manejá-las e cultivá-las, que garantem a sua perpetuaçã

    1. Tudo isso gera emprego, e sem impacto ambiental. Todos vão querer que os parques permaneçam conservados, porque geram emprego e renda. Essa dicotomia ambiente x economia é oportunismo.

    2. Que se faça o mesmo nas unidades de conservação (UCs) nacionais, estaduais e municipais, como os parques. Temos centenas delas, más só uma meia dúzia está estruturada para visitação. Vergonha

    3. Conforme disse há pouco, os índios americanos enriqueceram com impacto ambiental zero. Temos de fazer o mesmo em nossas terras indígenas (TIs). Ecoturismo nas TIs, já! O resto é conversa.

    4. Outra falácia é a política indígena. Façamos como nos EUA, em que os índios enriqueceram ganhando muita grana em suas reservas indígenas (ecoturismo: visitação, mirantes, restaurantes, cassin

    5. Deixar tudo intocado, “virgem” para que no futuro, a “ONU” ou outros a declarem de domínio mundial e outros, que não nós brasileiros, a explorem. Absurdo. Não mesmo. Vamos explorar JÁ!!

    6. Quem disse que deixar intocado é melhor. Mentira, interesses escusos. O Brasil tem de explorar racionalmente para si mesmo e para as futuras gerações. Isso preserva. Isso gera desenvolvimento.

    7. Então por trás desse discurso o que há são interesses estratégicos, geopolíticos, econômicos, comerciais, não de “hoje”. Estão já pensando no futuro. Vamos usar tudo para nosso benefício

    8. Concordo. Claro que é falácia! E de onde vem geralmente essas falácias? Vem de fora. Mas esses mesmos que pregam isso, destruíram as próprias florestas etc. Mas querem deixar tudo intocado, para

    9. Se esta ou aquela espécie me geram renda, tudo faço para que sobrevivam e se multipliquem. O meio ambiente e meu bolso agradecem. Esse conflito entre o econômico, o ambiental e o social é falácia

  12. Meio ambiente não é um setor da atividade humana, mas sim uma variável que permeia todas as atividades humanas em todos os seus setores. Não é fácil estruturar um órgão ambiental.

    1. A mesma dificuldade ocorre na “questão social”, que têm sido erroneamente alocada em um “Ministério do Des. Social”. O “social”, como o “ambiental”, também permeia todos os setores.

    2. A solução pode estar na criação de uma unidade ambiental (ex.: Deptº) em cada órgão setorial, com a coordenação central e transversal da política ambiental em um órgão como o IBAMA ou o MM

  13. Contudo há que se verificar; pois o nosso Açaí, já está patenteado pela China dessa forma, sou a favor da exploração por cientistas brasileiros de fauna, flora e seus minerais e patentear tudo

  14. Os órgãos públicos são em geral, setoriais. Para o setor agrícola, tem-se o ministério da agricultura, para o industrial, o da indústria etc. Meio ambiente não é setor. Eis a questão.

  15. A linguagem dos ambientalistas tem sido pouco eficaz porque fica presa à alegoria de “animal e planta”, dissociada de fatores não biológicos relevantes, como clima, solo, ação humana, meio urba

  16. Muita falácia e pouca efetividade, pois a maior riqueza da Floresta Amazônica está no Subsolo. O difícil é convencer o povo que só escuta as opiniões de ativistas globais incentivados pela esq

  17. Outra abordagem falha que prevalece sobre a questão ambiental: a de que é uma coisa mais “rural”, “biológica”, apenas presente nos ecossistemas rurais, e não nas cidades. Que binarismo, que po

  18. AS riquezas BR tem que ser exploradas pelos cidadãos e por parcerias na área de pesquisa e tecnologia… a maioria das espécies da floresta sequer forma catalogadas… uma perda para ciência…

    1. pois é, é isso. Se nós mesmos não pesquisarmos, ninguém o fará. E há interesses poderosos que querem que deixemos tudo intocado, para que eles a explorem, não nós. O discurso ambientalista é

  19. Taí um Biólogo de verdade. A riqueza do Brasil é imensurável, e a Amazônia não é pulmão do mundo. Ela preservada rende muito mais com exploração de princípios ativos medicinais naturais.

    1. Se quiserem um naquinho desssa prosperidade, venham investir no Brasil. Não é expropriá-la. É vir investir em parceria. Não é comprar o Brasil. É comprar no Brasil. Nada ficará intocado, garan

    2. Imagina quantos benefícios para todos, a começar pelos próprios locais. Exploração racional enriquece a todos, os locais, as regiões, os indígenas e todo o Brasil. Basta o mundo não atrapalha

    3. Tudo isso, em primeiro lugar, tem de ser me benefício do próprio Brasil. Então nós brasileiros é que temos de preservá-la para nós mesmos. O melhor jeito de preservar é usar, explorar, desenvo

    4. E quem disse que faríamos isso em detrimento do mundo. Pelo contrário!! E os indígenas em nosso território são nossos patrícios, conterrâneos. São brasileiros antes de tudo. E querem enriquece

    5. Temos de explorar toda as suas potencialidades para nos desenvolver, enriquecer e prosperar. Quanto alimento, medicina, materiais, energia, etc poderíamos descobrir? Avanços na ciência, na tecnolog

    1. E que há efeito estufa, aquecimento global, que a Amazônia seria o pulmão da terra (grande mentira) que o Brasil devasta tudo e não cuida. Que os indígenas, nossos irmãos, são exterminados etc

    2. Se nós os utilizarmos para o nosso benefício, eles não poderão controlá-las. É apenas isso. Como garantir isso? Inventaram o discurso da preservação para a humanidade e futuras gerações.

    3. Sabem quais são esses interesses? São puramente econômicos, de reservas estratégicas de água, terras, biodiversidade, de minérios, materiais e energia que vão faltar para o resto do mundo.

    4. E aliás, a melhor forma de preservar é utilizando com racionalidade, inteligência e sabedoria. O que está por trás desses discursos de não poder fazer nada sempre foi o interesse estrangeiro.

    5. Nós é que temos de explorar em nosso benefício agora, já. E preservando para nossas futuras gerações, especialmente de brasileiros. Enriquecer, prosperar e ajudar o Brasil. Deixar intocado? boba

    6. Já há conhecimento para explorar a riqueza sem causar poluição, destruição e devastação. Basta usá-las. Por que não? Deixar tudo intocado, em nome da “Humanidade” para que outros a explore

    7. Essa “estória” de virgem não existe. Dizem até que boa parte da floresta amazônica se desenvolveu, se ampliou e se preservou devido aos primeiros ocupantes da terra que fabricavam a “terra pret

    1. É uma melancia-globalista, com discurso ecoterrorista. Verde por fora, vermelho por dentro. Deixar tudo intocado só preserva para estrangeiros. Faremos isso: Usaremos tudo com sabedoria para nós.

    1. Temos de deixar de ficar ouvindo estrangeiros, os quais defendem os próprios interesses. Quem é o louco de desmatar, poluir e devastar tudo. Mas vamos sim nos desenvolver usando tudo que é nosso.

    1. Não só sabemos fazer, como o agronegócio já faz isso, preservando e ganhando produtividade. E temos terra demais gente.

    2. E querem saber? Nosso agronegócio é o mais avançado científica e tecnologicamente do mundo. Somos competitivos e produtivos e nem precisamos ocupar novas terras. Já sabemos como fazer.

    3. E faremos tudo isso preservando nossa soberania, território, beleza natural, preservando a natureza, pois é nosso e do nosso interesse e para as futuras gerações. Quem disse que é incompatível?

    4. Pense bem. Por que não podemos usar o que é nosso para nosso enriquecimento e prosperidade, ocupando territórios, desenvolvendo locais, regiões, levando investimentos, aproveitando recursos?

    5. Essa coisa de efeito estufa, aquecimento global exógeno (provocado por humanos) etc é discurso ideológico de gente com outros interesses. Bate de frente com interesses de desenvolvimento.

    6. Um dos pesquisadores é brasileiro, militar e meteorologista, chamado Ricardo Felício, o qual inclusive já foi entrevistado pelo O Antagonista. Essa “estórinha” de aquecimento é para enganar-nos

    7. Olha só, há cientistas brasileiros e estrangeiros muito sérios que contestaram o IPCC da ONU. Inclusive provaram que houve fraude e que é falácia a questão do “aquecimento global” humano.

    8. Parker, concordo com você. Eles acabaram com suas florestas, agora se preocupam com as nossas. Vamos explorar ao máximo as nossas desde q não nos prejudique diretamente…

  20. O Brasil tem com a Amazônia o maior estoque do mundo de substâncias desconhecidas que poderão vir a ser estudadas cientificamente e viabilizar seu uso comercial, preservando-se a floresta.

    1. Enquanto dormimos os outros pegam o que é do Brasil, e fazem riqueza para si mesmos e os seus, pesquisando e explorando tudo, de baixo dos nossos narizes. Os mesmos que fazem o ecoterrorismo.

    2. E já fazem isso há anos, escondidos ou abusadamente de forma descarada. Ora, usam várias estratégias como “aliciar” indígenas com mentiras. Daí “descobrem” princípios ativos, remédios etc.

  21. Já tentaram fazer plantações de seringueiras em larga escala e não deu certo e isso já tem muito tempo, depois tentaram com o dendê para extração do óleo, também não. Quer tentar de novo?

    1. Há formas inteligentes de explorar a Amazônia. Não é do interesse dos brasileiros devastarmos para explorar. Dá pra fazer com preservação, inclusão social e desenvolvendo regional. Enriquecer

    2. Vai morar na Região Amazônica e depois responde se você quer desenvolvimento ou atraso na região. Vou até sugerir uma cidade: São Gabriel Cachoeira. Uns dois anos depois deixe seu recado por aqu

    1. Concordo. A questão da terra, demarcação etc é muito séria. Em nome de direitos das minorias etc estão embutidos, escondidos, outros interesses que não são desses conterrâneos. Perigoso.

    1. Esses metidos a ambientalistas sempre se revoltam, mas estão sempre com a informação errada. Só se fala na Amazônia no mundo e nada da taiga, que é a maior floresta.

    2. Eu só escrevi que a Amazônia não é a maior floresta do mundo e sim a taiga e o cara ficou revoltado hoje não sei porque.

    3. vc é apenas mais um idiota. daquele tipo q dá descarga na baía de Guanabara e depois diz: mas eu só vou no banheiro 2 vezes por semana. a poluição não é minha