ACESSE

A diplomacia de Bolsonaro

Telegram

O Brasil é uma titica. Nosso peso internacional é nulo. Mas podemos atrapalhar os regimes de Venezuela e Cuba.

A imprensa não concorda com isso. Leia o editorial do Estadão:

“Bolsonaro foi eleito com base em um forte discurso contra o PT e, por tabela, contra os parceiros do lulopetismo na América Latina, especialmente as ditaduras cubana e venezuelana. Durante a campanha, prometeu endurecer contra esses dois regimes. No programa de governo, Bolsonaro já dizia que defendia a integração do Brasil com a América Latina, desde que fosse com países ‘que estejam livres de ditaduras’. Não se pode dizer que Bolsonaro não está sendo coerente com o que prometeu.

Mas há diferenças óbvias entre o palanque e a cadeira presidencial. Numa eleição, não é raro que candidatos apelem para bravatas para chamar a atenção do eleitor. Na chefia do Executivo, nem tudo o que se prometeu nos comícios pode ou deve ser realizado ao pé da letra, especialmente o que pode causar prejuízos ao País.

Bolsonaro começará seu mandato rompendo uma preciosa tradição diplomática, num ato demagógico que pode produzir consequências não desejadas.”

O Brasil só tem a ganhar com a queda do regime de Nicolás Maduro.

Cubanos do Mais Médicos querem Mais Liberdade. Entenda AQUI

Comentários

  • Amadeu -

    A solenidade coroa a expressão da vontade do eleitor brasileiro, ou seja, escantear os amiguitos do Lulopetismo.

  • Luiz -

    Essa preciosa tradição diplomática já foi comprometida desde o primeiro mandato do luladrão, tanto é que, hoje, internacionalmente, somos considerados um anão diplomático.

  • Nelson -

    O Estadão quer de volta a "Preciosa tradição" de prometer uma coisa e fazer outra, à la Dilma&PT???

Ler 182 comentários