Gilmar: ‘Direito constitucional da malandragem’

Gilmar Mendes, exaltado, diz que é preciso acabar com o “direito constitucional da malandragem”.

Cármen Lúcia pede que o colega deixe Alexandre de Moraes concluir seu voto.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

  1. Já faz algum tempo que essa pessoa é o maior constrangimento do stf.

    Figura pedante, cujo ego é maior do que a corte, fala apenas para o seu público selecionado de pessoas com vantagens acima das demais. Não está nem aí para os brasileiros comuns que pagam o seu salário.

  2. Ler mais 25 comentários
    1. Já faz algum tempo que essa pessoa é o maior constrangimento do stf.

      Figura pedante, cujo ego é maior do que a corte, fala apenas para o seu público selecionado de pessoas com vantagens acima das demais. Não está nem aí para os brasileiros comuns que pagam o seu salário.

    2. Opaaaaa. Carmem Lucia pediu que Gilmar se calasse , ai da para ver o nivel do BEIÇUDO ……Cade o respeito com seus colegas , se ele nao respeita seus colegas de trabalho , suas opinioes ,vai respeitar o povo ????????

    3. 1. Franciscodisse:

      12 de setembro de 2017 às 16:07
      A Sociedade e a Imprensa precisam exigir do STF que se posicione sobre esse Senhor.
      O Código de Ética da Magistratura estabelece que :”Art. 38. O magistrado não deve exercer atividade empresarial, exceto na condição de acionista ou cotista e desde que não exerça o controle ou gerência”.
      Já a LOMAN (Lei Orgânica da Magistratura) afirma: “Art. 36 – É vedado ao magistrado: I – exercer o comércio ou participar de sociedade comercial, inclusive de economia mista, exceto como acionista ou quotista; II – exercer cargo de direção ou técnico de sociedade civil, associação ou fundação, de qualquer natureza ou finalidade, salvo de associação de classe, e sem remuneração”.
      Pode até ser que, por mera questão formal, este Senhor não figure como administrador ou gerente, mas é inegável que ADMINISTRA sim o tal Instituto, tanto que negocia patrocínios ao mesmo, como informado acima. Este senhor faz o que quer e como quer, não respeita qualquer limite de atuação de um magistrado e todos fingem que não veêm. É preciso por um basta nisso. Somente os antagonistas para ajudarem nessa missão.

    4. Esse homem anda muito atormentado. Falando sobre tudo, tom de voz acima, declarações sobre: o combate a corrupção não pode ser a prioridade ao enfrentamento do crime; o combate a corrupção não pode paralisar o país…., será que ele começa a sentir vibrações ruins vindo do antigo governador de MT Silval Barbosa? Negócios com a JBS, também em MT…., é esperar para ver!

    5. Gilmar Mendes tem toda razão. Inclusive, é um ABSURDO e uma AFRONTA ao Estado Democrático de Direito que um MALANDRO como Gilmar Mendes, Toffoli, Lewandowski e afins, sejam Ministros do STF.

    6. Vamos ver como esse circo todo vai acabar. Isso aí dava voto de menos de um minuto: ” vou livrar Aécio porque é do PSDB e estou aqui para defender esse partido”. Ponto. O resto das 2 ou 3 horas é puro enchimento de linguiça.

    7. Ele devia estar fazendo uma autoreflexão. Só pode. Ninguém mais malando e safado para interpretar a constituição a seu bel prazer e para defender seus amigos bandidos. E olha que o considero um dos melhores constitucionalistas do país. Mas quem mais estuda as leis é o que mais sabe como burlá-la.

      1. O Gilmar ser “um dos melhores constitucionalistas do país” mostra como esse país é uma latrina.
        .
        Eu conheço a obra do Gilmar. Não é original. É coisa de concurso público. Resumos e jurisprudências. Ele não é um pensador do direito.
        .
        Até pensei em outro nome, mas todos os “constitucionalistas” brasileiros são muito ruins. Então você tem razão. Não há uma obra como “Os Fundamentos da Liberdade” do Hayek na filosofia jurídica brasileira. A doutrina br é decoreba para concurso público. Por isso eles aceitam os absurdos da nossa constituição. Não tem estofo para rebater.