Diretor do DER-PR comprou apartamento de 2,5 milhões de reais

O Estadão informa que o diretor-geral do DER do Paraná, Nelson Leal Júnior, preso hoje na Operação Integração, comprou um apartamento de 2,5 milhões de reais em Balneário Camboriú.

Pelo menos 500 mil reais foram pagos em espécie.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. Em todo lugar nessas operações os caras vão em cana ainda que por pouco tempo.
    No maranhão teve algo incrível; o secretário de saúde ricardo murad roubou a saúde o tanto que pôde, não comprou apartamento mais construiu escola top de linha e colocou em nome de LARANJAS. Sabem o que aconteceu com ele??? apenas condução coercitiva para prestar depoimento. A turma do velho “sarna” é bem protegida atraves das informações privilegiadas que chegam primeiro e dar tempo pro “velho” agir.

Ler mais 19 comentários
  1. Em todo lugar nessas operações os caras vão em cana ainda que por pouco tempo.
    No maranhão teve algo incrível; o secretário de saúde ricardo murad roubou a saúde o tanto que pôde, não comprou apartamento mais construiu escola top de linha e colocou em nome de LARANJAS. Sabem o que aconteceu com ele??? apenas condução coercitiva para prestar depoimento. A turma do velho “sarna” é bem protegida atraves das informações privilegiadas que chegam primeiro e dar tempo pro “velho” agir.

  2. Gigantes, arrojados e luxuosos.
    Em curtíssimo espaço de tempo ploriferam mais que chuchu na serra,
    muito embora a população da cidade seja pequena e poucos possuam
    poder aquisitivo para adquirir tais apartamentos.
    Uma hora a PF vai chegar nesses empreendimentos.
    TIC TAC

  3. Vai ter de aumentar o pedágio para pagar esse rombo. Cobrar do meliante? Nem pensar. Enquanto tiver otário pagando imposto,taxas e pedágio esses caras vão continuar dando sonoras gargalhadas de frente pro mar.

  4. Solução para acabar com a lavagem de dinheiro .:
    Fica expressamente proibido de sacar qualquer quantia em dinheiro vivo acima de r$ 5.000,00
    Todo e qualquer pgto só deverá ser feito em cheque nominal e intransferível ou transferencia bancaria sendo PJ ou PF , com CPF e CNPJ.
    acho que assim funciona.

  5. Me parece que o pai da Suzana Richthofen trabalhava no DNER….!!!!!
    CRIAMOS UM MUNDO MUITO PERIGOSO ONDE O EGOÍSMO E A SEDE DE PODER A QUALQUER PREÇO ESTÁ NOS DESTRUINDO…!!!!
    PRECISAMOS DE HOMENS VERDADEIROS, SINCEROS QUE TRABALHEM COM O CORAÇÃO (ALMA) ABERTA, DO CONTRÁRIO SUCUMBIREMOS…!!!!

  6. josé Rudi Schnorr disse: 22 de Fevereiro de 2018 às 13:45
    O que fez a Receita durante todos estes anos? Saques de mais de 500.000,00 que eu até então achava impossível, se deu na cara dos auditores da RFB, Me lembro de uma ocasião em que saquei um cheque de 20.000,00 na Caixa e gastei i hora no preenchimento de um formulário que pedia entre outras coisas: 1 O que foi vendido? Nota Fiscal? Para que serve o produto? O que vai fazer com o dinheiro? Qual o seu destino agora? Então, fica difícil para que compreenda o movimento de tanto dinheiro vivo, que de uma forma ou outra o dinheiro sempre sai de um banco.
    ..

    Noves fora a tecnologia de hoje, o que nos diferencia de um regime medieval? Naquela época havia os cobradores a cavalo com o mesmo fim

  7. quando vc simples mortal vai ao banco sacar um cheque de 1.000 pedem até a data de nascimento da sua avo, e esses caras sacam zilhões e o que faz a receita federal? pra que serve? pra onde vai? quem comanda essa bagaça? voce saberá no globo reporter de hoje logo apos o bbb 2058!

  8. O que fez a Receita durante todos estes anos? Saques de mais de 500.000,00 que eu até então achava impossível, se deu na cara dos auditores da RFB, Me lembro de uma ocasião em que saquei um cheque de 20.000,00 na Caixa e gastei i hora no preenchimento de um formulário que pedia entre outras coisas: 1 O que foi vendido? Nota Fiscal? Para que serve o produto? O que vai fazer com o dinheiro? Qual o seu destino agora? Então, fica difícil para que compreenda o movimento de tanto dinheiro vivo, que de uma forma ou outra o dinheiro sempre sai de um banco.