Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Diretor do Butantan: "Excluir a CoronaVac é mais um erro do Ministério da Saúde"

Dimas Covas menciona a necessidade de aplicação de reforço e diz que o instituto está providenciando dados para pedir registro definitivo à Anvisa
Diretor do Butantan: “Excluir a CoronaVac é mais um erro do Ministério da Saúde”
Foto: Governo do Estado de São Paulo

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas (foto), criticou, em entrevista a O Globo publicada nesta segunda-feira (15), a decisão do Ministério da Saúde de não contratar mais doses da CoronaVac. O titular da pasta, Marcelo Queiroga, argumenta que o imunizante possui “baixa efetividade” e não tem registro definitivo da Anvisa.

Para o diretor do Butantan, trata-se de “mais um erro” do Ministério da Saúde.

O Ministério da Saúde erra ao descartar uma vacina.[…] Nós não sabemos ainda o que vai acontecer com essa pandemia. A necessidade de revacinação já é hoje quase certa. Na minha opinião isso vai se estender à toda população. Temos ainda a questão de uso pediátrico. A CoronaVac é a vacina mais segura entre todas que estão sendo utilizadas para todas as populações, mas especialmente para a população de 3 a 17 anos. Então estamos também aguardando o pronunciamento da Anvisa no sentido de que autorize o uso dessa vacina nessa população.”

“No caso do registro definitivo existe ainda uma pendência em relação a dados posteriores à vacinação, os dados de imunogenicidade. Estamos providenciando e tão logo estejam disponíveis vamos formalizar o pedido de registro definitivo. […] Eu acho que é mais um erro do ministério entre tantos que foram cometidos durante esse combate à pandemia”, acrescentou.

Dimas Covas também falou sobre o desenvolvimento da ButanVac. O governador de São Paulo, João Doria, chegou a falar em aplicar o imunizante a partir de outubro, mas o processo foi adiado.

“São dois entraves: o primeiro foi a demora na autorização do início do estudo clínico. O segundo foi que quando fomos autorizados esbarramos no problema dos voluntários, porque já estava em campanha a vacinação para o público de dezoito anos ou mais e nós ficamos tivemos dificuldade de arregimentar voluntários.  Nesse momento estamos na fase de análise dos resultados e já fazendo uma proposta para continuidade do estudo. Então esperamos muito brevemente poder executar a segunda fase do estudo. Essa com uma população já vacinada. Esperamos ter essa possibilidade ainda esse ano.”

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....