ACESSE

Discurso foi para que militares não se deixem usar pela política, diz Gilmar

Telegram

Segundo o ministro Gilmar Mendes, o contexto em que criticou a presença de militares no governo é o de “colapso no sistema de saúde”.

“Se o intuito é neutralizar o Ministério da Saúde para responsabilizar o Supremo por aquela decisão que fortaleceu os estados, que é o que o presidente sempre faz, isso é um problema e acaba sendo um ônus para as Forças Armadas, porque eles estão lá como oficiais da ativa”, disse hoje o ministro, em live.

Gilmar tem sido criticado por ter dito, no sábado (11/6), que “o Exército está se associando a um genocídio”. Em resposta, o Ministério da Defesa chamou a declaração de Gilmar de “infundada, irresponsável e, sobretudo, leviana” e disse que vai acionar a PGR contra o ministro.

O ministro divulgou uma nota hoje pela manhã dizendo que o governo está envolvendo os militares “para a formulação e execução de uma política de saúde que não tem se mostrado eficaz” para combater a pandemia de Covid-19.

Hoje, em live no YouTube promovida pelo portal Jota, o ministro disse que seu “discurso é em defesa da institucionalidade das Forças Armadas, para que eles não se envolvam nos futriques tão normais da política cotidiana, para que não se deixem usar neste momento”.

Assista ao vídeo:

Leia mais: O erro dos governadores na pandemia. Clique aqui para ler mais

Comentários

  • Arnaldo -

    É um canalha. O ministro mais politico do STF posando de consultor das FA. E preocupado com o país... as instiutições... VTC. Merece levar na orelha.

  • Glória -

    Futrica prá cá, futrica prá lá, até agora tudo como dantes no quartel de Abrantes.

  • Dulce -

    Futriques é o que ocasionou esse comentário infeliz. Um ministro do STF usar uma palavra, que tem definição jurídica, de forma errada é inconcebível. Denota ignorância ou má fé.

Ler 80 comentários