Dodge: "Um órgão acusa, outro defende e outro julga"

Telegram

Raquel Dodge justificou a decisão de não usar provas do inquérito aberto por iniciativa de Dias Toffoli com base no preceito de que um mesmo órgão — no caso, o STF — não pode acumular as funções de investigar e julgar.

“O sistema penal acusatório estabelece a intransponível separação de funções na persecução criminal: um órgão acusa, outro defende e outro julga. Não admite que o órgão que julgue seja o mesmo que investigue e acuse”, escreveu a procuradora-geral da República.

Na manifestação enviada ao relator do inquérito, Alexandre de Moraes, Dodge também disse que o processo penal num regime democrático “sustenta-se na premissa da isenção e imparcialidade do Poder Judiciário, em razão da clara separação das funções”.

Comentários

  • Guilherme -

    O apequenado stf está se firmando como órgão inquisitor

  • Carlos -

    Parabéns pelo posicionamento ético e transparente Sra Procuradora, o povo Brasileiro deseja uma Nação mais justa e mais igual em todos os poderes.

  • Patrício -

    Só um incompetente ministro que sequer passou numa prova para juiz poderia fazer um fudevu de cassarolê desses no Judiciário brasileiro. Mas precisou da cumplicidade de um ministro professor malint

Ler 88 comentários