É dando que se recebe (2)

Falando em jóias, a Polícia Federal encontrou indícios de que Sérgio Cabral torrou R$ 4 milhões em duas lojas da joalheria Antonio Bernardo, também beneficiada por isenções fiscais.

Para não deixar rastros, Cabral comprava tudo em nome de seu motorista.

Faça o primeiro comentário