“É errado um sistema que permite processo sem fim”

Sérgio Moro voltou a dizer neste sábado que a exigência do trânsito em julgado para a execução da pena resulta num desastre para o país, não só nos casos relacionados a corrupção.

“Vale para todos os crimes nos quais o acusado possa contar com habilidosos advogados que se servem dessas brechas legais para impedir que o processo chegue ao fim. É errado um sistema que permite processo sem fim”.

Na compreensão do juiz, “a presunção de inocência está vinculada estritamente à questão probatória. A prova tem que ser categórica para uma condenação criminal. Ela tem que ser acima de qualquer dúvida razoável. Mais vale 100 culpados soltos do que um inocente preso, mas isso não tem nada a ver com recursos”.

Moro lembrou ainda que, em países como Estados Unidos e França, há possibilidade de prisão depois da condenação já na primeira instância.

Para o juiz, é essencial “não retroceder” na “mudança fundamental” do processo penal.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. Zezão.... disse:

    Isto são leis a "lá esquerda", porque se isto fosse direito não existiria estas brechas.... E viva a esquerda que corrompeu a justiça, os políticos e parcela significativa do povo, prove é que 37% acham o juiz corrupto e não é por ilações e sim porque acham que se o molusco for reeleito ninguém mais vai precisar trabalhar....

Ler comentários
  1. cris disse:

    Esperamos que gilmar não invente e que a ministra Cármen Lúcia mantenha sua palavra de que quer o bem do Brasil

  2. Brasil sério disse:

    Viva a Operação Lava Jato, a de Curitiba, a do Doutor Sergio Moro. Abaixo aqueles " acovardados" que não respeitam a nossa Bandeira Nacional, muito pelo contrário, veneram uma BIRUTA e agem como tal, sendo movidos, em suas decisões, pela "conveniência" ..., e "força" ..., dos vento$$$$. QUE OS LADRÕES DO DINHEIRO PÚBLICO SEJAM JULGADOS PELO TRIBUNAL MILITAR.

  3. Brasil sério disse:

    Digníssimo Doutor Sergio Moro, em sua patriótica luta contra os Ladrões do Dinheiro Público, conte, hoje e sempre, com todos os brasileiros que não concordam com tanta Roubalheira ao Dinheiro Público. Ainda acreditamos que a Bandeira Nacional, continua e continuará hasteada em frente ao STF, e não queremos imaginar que algum "acovardado", desrespeitando a Magnífica História do STF, queira, empunhar uma BIRUTA, simbolizando que suas decisões são movidas à "conveniência", à "força" ... dos "ventos". Viva a Operação Lava Jato, a de Curitiba, a do Doutor Sergio Moro! QUE OS LADRÕES DO DINHEIRO PÚBLICO, SEJAM JULGADOS PELO TRIBUNAL MILITAR!KB

  4. B Coimbra disse:

    Isto demonstra que o país está há muito tempo sendo comandado por gente indecente. Criminosos indicando outros criminosos para altos cargos no judiciário. Os últimos políticos decentes e admiráveis q este país teve foram Carlos Lacerda e Roberto Campos.

  5. ISSO VOCÊ NÃO LÊ AQUI disse:

    Raquel Dodge nomeia vice da PGE (eleitoral) , Jacques de Medeiros, antigo desafeto de Gilmar Mendes, que já , inclusive, moveu ação de improbidade contra o ministro do STF.

  6. ricARdo disse:

    Poxa, Moro quer mexer na galinha dos ovos de ouro dos dotôres adEvogados. É da infinitude dos processos que vem uma grande parte da grana grossa dessa turma. Um cliente endinheirado e bem enrolado com a Justiça, garante honorários quase vitalícios ao seu sortudo adEvogado.

    1. Definição de advogado: é aquele que preserva os bens alheios, e os toma para si.

    2. As bancas de rábulas já estão todas fazendo promessa pro Santo Ivo, o protetor dos advogados!

  7. sem fim disse:

    Processo sem fim é a negação da própria existência de um juiz.

    1. Lembrem-se que quem sentencia, da a palavra final são os Doutos JUIZES, colegas de Sergio Moro... Nos advogados ganhamos sim, mas fazemos e fundamentamos os pedidos, ou seja, defendemos quem nos contrata. Os "colegas" do Dr. Sérgio Moro é que deveriam ser tratados com a ironia e escárnio nos comentários. Pensem.