"É importante que façamos pressão para desmilitarizar o governo"

“É importante que façamos pressão para desmilitarizar o governo”
Foto: Alan Santos/PR

Tasso Jereissati aposta que Jair Bolsonaro, em 2022, vai macaquear a tática golpista de Donald Trump.

Ele disse para o Valor:

“Lá, o Trump há anos já usava o mote do voto pelo correio, avisando que ele contestaria. O Bolsonaro faz a mesma coisa, é a mesma desculpa, mas com o voto eletrônico. Qual a diferença? Se você olhar para entrevista coletiva do Ministério da Saúde, o ministro é militar. Os secretários são militares. Você olha as expressões que eles usam, não tem nem cacoete de médico, é puramente linguajar militar. E o mais perigoso: se você olha a agenda do Bolsonaro, ela é em grande parte dedicada a solenidades de formação de policiais militares. Eu fui governador por 12 anos. Não me lembro de nenhum presidente ter sequer cogitado vir ao Ceará para uma formatura de policial. Ele corteja as polícias militares ainda mais que o Exército. Eu ontem conversava com Antonio Anastasia, que também foi governador, se ele lembrava de algo assim e ele disse: ‘não, nunca’. Bolsonaro está cortejando esse grupo, visivelmente.”

O que fazer?

“O presidente do Senado, que preside o Congresso Nacional, terá de ser um cara preparado para este momento que vamos viver, não pode ser alguém que abaixe a cabeça para o Bolsonaro. Essas eleições da Câmara e Senado são mais importantes do que as pessoas estão percebendo. Não podemos fazer bobagem. E a Justiça precisa estar forte. Além disso, militares conscientes e afastados da política. É importante que nós, políticos, e a imprensa façamos um movimento de pressão para desmilitarizar o governo, desvincular as Forças Armadas do governo Bolsonaro.”

Leia mais: Crusoé procurou psicólogos e psiquiatras para entender o comportamento do presidente à luz dessas ciências
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO