E o dispêndio de recursos públicos do TCU?

No despacho em que pede informações ao Coaf, o ministro Bruno Dantas acolhe a absurda alegação do procurador Lucas Furtado de que a análise das atividades financeiras de Glenn Greenwald caracterizaria “desvio de finalidade e dispêndio indevido de recursos públicos”.

Na verdade, trata-se de contorcionismo legal para tentar atrair caso absolutamente estranho à competência do TCU. Por esse raciocínio, Furtado e Dantas também estão se desviando da finalidade de seus ‘mandatos’, gerando dispêndio indevido de recursos públicos.

Além disso, com a decisão de Dias Toffoli de suspender as apurações do Coaf, a inspeção do TCU servirá apenas para gastar dinheiro do contribuinte.

Mudança no Fisco põe políticos na mira do leão. Leia mais

Comentários

  • Má. -

    E cadê o presidente? Ele prometeu limpar essa s.u.j.e.i.r.a toda

  • Massaaki -

    Cada um no seu quadrado!...

  • Francisco -

    tá tudo dominado. Este é o custo de fritar o MOro, e defender os filhotes.

Ler 71 comentários