Eduardo Cunha nega influência em cúpula da Caixa

Em nota escrita da cadeia, no Paraná, Eduardo Cunha negou que tenha exercido influência sobre a cúpula da Caixa Econômica Federal, informa a Folha.

O ex-deputado e ex-presidente da Câmara é acusado de pressionar Antônio Carlos Ferreira, que comandava a área corporativa da Caixa até ontem.

Cunha disse não ter “influência” ou “qualquer relação pessoal” com os quatro vice-presidentes afastados por suspeitas de irregularidades.

E disse que Ferreira foi indicado para o cargo pela hoje senadora Rose de Freitas, “diretamente ao então vice-presidente Michel Temer”.

Eduardo Cunha é um pândego.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. COMO DIZEM NAS “GERAIS”: CRIA TIPO CUNHA !
    ALIÁS ,QUAL O MOTIVO DE SUA PRISÃO ?
    NÓS SOMOS Á 3ª no RANCKING MUNDIAL DE BANDIDOS.
    O BRASIL ESTÁ CHAFURDANDO NA LAMA,COM ESTA CORJA APEGADA AO PODER/VIL METAL.

    1. CEF não é banco de nenhuma forma. Desde o governo Sarney aquilo sempre foi uma instituição tipo casa da mãe Joana

Ler mais 9 comentários
  1. COMO DIZEM NAS “GERAIS”: CRIA TIPO CUNHA !
    ALIÁS ,QUAL O MOTIVO DE SUA PRISÃO ?
    NÓS SOMOS Á 3ª no RANCKING MUNDIAL DE BANDIDOS.
    O BRASIL ESTÁ CHAFURDANDO NA LAMA,COM ESTA CORJA APEGADA AO PODER/VIL METAL.

    1. CEF não é banco de nenhuma forma. Desde o governo Sarney aquilo sempre foi uma instituição tipo casa da mãe Joana

  2. Cunha acredita que o que ele fala vai ser aceita como verdade, está acostumado com capachos da câmara de quando foi presidente. Avisa a ele que agora é com a justiça, há provas, não tem como sair dessa sem confessar crimes.

  3. Pergunta pro Geddel onde está o rombo, ele foi diretor nomeado no esquema do Temer de compartilhar as estatais…Ele sabe de tudo. O Temer não destitui pois todo mundo ali tem rabo preso. Todo mundo. Basta um delatar. O esquema cai. A Caixa sempre foi fonte de corrupção. Estão quebrando tudo o que podem e ninguém faz absolutamente nada.