ACESSE

Einstein diz que afastou Nise Yamaguchi por fala ‘insólita’ sobre Holocausto

Telegram

A assessoria do Hospital Albert Einstein justificou o afastamento da médica Nise Yamaguchi em razão de uma “analogia infeliz e infundada entre o pânico provocado pela pandemia e a postura de vítimas do Holocausto”.

Em entrevista à TV Brasil, a oncologista e imunologista defendeu nesta semana o uso da hidroxicloroquina no tratamento de pacientes com Covid-19 em estágio inicial e disse que a desinformação sobre a doença pode causar o pânico na população:

“O medo é prejudicial para tudo. Em primeiro lugar, te paralisa, te deixa massa de manobra. Qualquer pessoa, você pega… Você acha que alguns poucos militares nazistas conseguiriam controlar aquela massa de rebanho de judeus famintos se não submetessem diariamente a humilhações, humilhações e humilhações, tirando deles todas as iniciativas?”, disse Yamaguchi.

“Como se trata de manifestação insólita”, diz nota do Einstein, “o hospital [entendeu] por bem averiguar se houve mero despropósito destituído de intuito ofensivo ou manifestação de desapreço motivada por algum conflito. Durante essa averiguação, que deve ser breve, o hospital não esperava que o fato viesse a público”.

Leia mais: Comprovação do elo entre a Presidência da República e o gabinete do ódio complica Bolsonaro. Clique e leia

Comentários

  • Francisco -

    Médica maluca

  • Ana -

    Pobre Dra Nise!

  • Maria -

    Ela não teve cuidado e sensibilidade ao abordar um tema tão complicado como o holocausto. Foi muito infeliz, nas palavras, principalmente por trabalhar para um hospital israelita.

Ler 133 comentários