Em defesa das pesquisas

Ninguém pode prescindir das pesquisas eleitorais.

Elas vão orientar as escolhas, por exemplo, dos candidatos em 2022.

A questão não é ignorar as pesquisas, e sim fazê-las direito.

Datafolha e Ibope quebraram a cara nas disputas municipais. O Atlas Político, por outro lado, saiu-se extraordinariamente bem.

Na última pesquisa do segundo turno, em São Paulo, o instituto cravou Bruno Covas com 58,1% dos votos válidos e Guilherme Boulos com 41,9%.

Em Porto Alegre, enquanto o Ibope se danou prevendo uma vitória de Manuela D’Ávila, o Atlas deu 52,7% para Sebastião Melo e 47% para a candidata do PCdoB.

O próprio Atlas comentou os resultados no Twitter:

“Datafolha e Ibope detém um monopólio sobre a divulgação das pesquisas de opinião nos principais meios de comunicação. Enquanto isso não mudar, de nada adianta.”

Leia mais: A revista que fiscaliza TODOS os poderes e conta com os melhores colunistas do Brasil.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO