Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Em maio de 2019, bolsonaristas foram às ruas contra o Centrão

O grupo político tão atacado pelos apoiadores do presidente da República agora toma conta do governo que prometeu combatê-lo
Em maio de 2019, bolsonaristas foram às ruas contra o Centrão
Foto: Roque de Sá/Agência Senado

Em 2019, no primeiro ano do governo de Jair Bolsonaro, apoiadores do presidente — e inclusive ministros e deputados da base aliada — participaram de manifestações contra o Centrão.

Os atos tiveram como alvos líderes do grupo político fisiológico e, principalmente, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, então presidentes da Câmara e do Senado. Alcolumbre, que na manifestação de Brasília ganhou até boneco inflável, viraria importante aliado do governo um pouco mais à frente.

As manifestações também foram marcadas por críticas de bolsonaristas a ministros do STF, em especial Dias Toffoli, que estava à frente do Supremo. A relação entre Toffoli e Bolsonaro melhoraria a ponto de o presidente da República ir almoçar em um sábado, fora da agenda, na casa do ministro.

Do alto de carros de som, bolsonaristas esbravejavam contra o Congresso Nacional — havia até um temor de invasão ao Parlamento — e diziam que deputados e senadores eram obrigados a avançar com a reforma da Previdência e outros projetos de Paulo Guedes e com o pacote anticrime de Sergio Moro. Guedes está cada vez mais sem força e Moro virou inimigo dos apoiadores do presidente.

As manifestações ficaram conhecidas como “marcha bolsonarista”.

Na época, o deputado Arthur Lira (PP), hoje presidente da Câmara, chegou a dizer a O Antagonista:

“Estamos tranquilos e vamos continuar com a nossa pauta, sem nenhum tipo de perseguição. Fiquei satisfeito em ver o presidente, na Record, dizendo que não teve nenhum líder dos partidos de centro pedindo a ele ministério. Ou seja, parece que os manifestantes quiseram escolher um Cristo que não está cometendo crime nenhum.”

Hoje, como temos noticiado desde cedo, Jair Bolsonaro anunciou que entregará a Casa Civil nas mãos de Ciro Nogueira, selando o triunfo do Centrão.

Mais notícias
TOPO